Olhar vigilante

A colonização da chamada América Espanhola  é considerada uma das mais cruéis de todos os tempos. Milhares e milhares de vidas foram ceifadas sem a menor piedade pelo homem branco que aqui chegou sentindo-se dono de tudo. Esse triste capítulo da história da humanidade se tornou conhecido graças a bravos homens que tiveram coragem de relatar, mesmo correndo o risco de sofrer perseguições, tudo que se passava nas chamadas Novas Índias. Uma dessas personalidades é Frei Bartolomeu de Las Casas.  

Nascido em Sevilha, Espanha, em 1474, Frei Bartolomeu chegou na América Central no início do século XVI. A princípio veio com a missão de “catequizar” os índios, mas após ouvir um sermão em que outro missionário espanhol condenava a forma cruel como os índios eram tratados no Novo Mundo, mudou sua forma de pensar e agir passando a defender a causa indígena. Não usava, porém, nenhuma arma de fogo, sua forma de combater a tirania espanhola era através da palavra escrita.

Tive oportunidade de ler recentemente Brevíssima Relação da Destruição das Índias  – O Paraíso Destruído, uma de suas marcantes obras.  A leitura é indispensável pra quem tem interesse em conhecer mais profundamente sobre como foi a “colonização” espanhola, mas aviso desde já, que não é uma leitura nada fácil,  porque é necessário ter estômago forte pra acompanhar página a página, em detalhes, todos os tipos de atrocidades cometidas pelos espanhóis em solo americano.

Frei Bartolomeu tinha o olhar atento e humano, e não poupava critica aos sanguinários homens que vieram para cá com a missão de trazer  a palavra de Deus, e no entanto, serviam apenas ao deus chamado dinheiro.

Além de tornar pública as atrocidades cometidas pelos espanhóis, Frei Bartolomeu combateu na Europa a ideia de que a escravização dos índios era natural, já que muitos naquela época defendiam a ideia de que eles já nasceriam submissos. Ao morrer com 92 anos, Frei pôde ver alguns avanços em relação ao tratamento dado aos índios, mas muito longe daquilo que ele almejou. Sua importância, porém, na defesa dos índios, é incontestável, afinal, se não houvesse alguém para desafiar a história oficial, hoje poderíamos acreditar que na  América pré-colombiana havia apenas habitantes selvagens, desprovidos de cultura. Sua obra nos mostra claramente quem eram na verdade os selvagens, desprovidos de qualquer humanidade…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: