Tecnologia de última de geração revela detalhes das linhas de Náscar

O território do Peru é repleto de tesouros arqueológicos de antigas civilizações, como a inca. Machu Picchu, por exemplo, é um dos lugares mais incríveis do mundo e também um dos mais visitados. Mas o país guarda vários outros destinos do mesmo tipo, cheios de história e mistério.Você já ouviu falar das fascinantes linhas de Náscar?

Elas são enormes figuras gravadas na superfície do deserto de Náscar (ou Nasca), tecnicamente chamados de geóglifos.  Os desenhos são variados e formam imagens que, em sua maioria, se assemelham a animais, como um colibri, uma aranha, um macaco, um condor entre outros. Com um traçado único, cada forma tem entre 50 e 300 metros de comprimento e ocupam uma área total de 350 km².

Os desenhos mais antigos revelam imagens mais complexas.

Ainda há algumas divergências sobre o real motivo da antiga civilização da região ter feito esses incríveis desenhos há quase dois mil anos atrás. Muitos afirmam que o lugar tenha significado religioso. Outros dizem que tinha a função de um calendário astronômico relacionado às colheitas. Até hoje não se sabe como esses traçados foram feitos. Há ainda um desenho muito curioso, que muitos afirmam parecer um astronauta. Uma coisa é certa: as Linhas de Náscar são cercadas de mistério. Quase todas são uma espécie de mensagem da Terra para o cosmos, traços — como caligrafias desconhecidas — criados no passado para a eternidade.

Algumas estão em perfeito estado, enquanto outras foram parcialmente apagadas pelos ventos, pela erosão e pela passagem do tempo. Mas, agora, um grupo de especialistas japoneses encontrou, por meio de tecnologia de última geração, uma série de geóglifos desconhecidos até então.

São mais de 140 formas que vão desde as já conhecidas, como macacos e cobras, até outras que surpreendem os cientistas, como a de uma figura humanoide com um bastão, cujo significado começará a ser estudado.

Segundo informou o comunicado da Universidade de Yamagata, que apoiou o estudo, acredita-se que os geóglifos encontrados foram criados entre os anos de 100 a.C. e 300 d.C., sendo que a maioria está em estado precário.

As figuras menores medem cerca de 05 metros. Universidade de Yagamata.

Como fizeram o estudo

A equipe de especialistas japoneses, liderada pelo arqueólogo Masato Sakai, partiu da análise de imagens de satélite de alta resolução tiradas do deserto, para depois realizar estudos de campo, entre 2016 e 2018, até identificar as novas linhas.

Com os dados obtidos e o processamento das imagens, realizaram projeções das figuras e descobriram 142 novas linhas, representando peixes, lhamas, macacos e aves.

A partir daí, com os dados coletados, utilizaram técnicas de inteligência artificial (IA) para reconstruir algumas das formas, que não podiam ser definidas por métodos convencionais. Foi assim que a iniciativa chegou à identificação de um geoglifo surpreendente: uma figura humana com um bastão.

“O estudo explorou a viabilidade do potencial da inteligência artificial para descobrir novas linhas e introduziu a capacidade de processamento de grandes volumes de dados por meio de IA, incluindo fotos aéreas de alta resolução em alta velocidade”, detalha o comunicado sobre a pesquisa.

A inteligência artificial permitiu identificar figuras parcialmente corroídas pela erosão.

O que os cientistas encontraram?

As figuras encontradas variam tanto em sua complexidade quanto em sua idade e tamanho. A maior entre elas mede mais de 100 metros de ponta a ponta — um pouco maior do que a Estátua da Liberdade — e a menor, apenas cinco metros, praticamente o mesmo tamanho da estátua de Davi, de Michelangelo.

Para facilitar a identificação, os especialistas japoneses separaram dois grupos:

Grupo A

  • São desenhos lineares e que tendem a ser maiores, medindo mais de 50 metros cada um.
  • Acredita-se que foram feitos mais recentemente, e sua origem varia entre os anos 100 e 300 d.C.

    Grupo B

  • Tendem a ser estruturas mais complexas e de tamanho menor, com menos de 50 metros.
  • Acredita-se que tenham sido produzidas por volta do ano de 100 a.C., ou em períodos anteriores.

    De acordo com os cientistas, cada grupo tinha propósitos diferentes. O primeiro seria utilizado para rituais e o segundo, como pontos de referência para viajantes.

    Descoberta

    Localizadas a cerca de 400 quilômetros de Lima, as Linhas de Náscar permaneceram desconhecidas por séculos. O início das atividades de aviação permitiram o descobrimento dessas formas enigmáticas, que só são visíveis de grandes alturas.

    Segundo os pesquisadores, todas as figuras foram criadas com a remoção de rochas negras que cobriam o terreno, expondo a areia embaixo”, explicou a equipe japonesa. As condições áridas do terreno permitiram sua conservação ao longo de séculos.

    Com tais figuras, a antiga sociedade de nazca, que existiu há cerca de 2.300 anos, “transformou um extenso território estéril em uma paisagem cultural com alta conotação simbólica, ritual e social”, segundo o Ministério da Cultura do Peru.

    As linhas foram descobertas em 1927 e, segundo Paul Kosok, um pesquisador americano que se dedicou ao seu estudo, eram “o maior livro astronômico do mundo”, que marcava os solstícios de inverno e de verão.

    Entretanto, até hoje não se sabe qual era de fato a sua finalidade. Em 1993, os geóglifos passaram a integrar uma reserva arqueológica e a ser parte do Patrimônio Cultural da Nação do Peru.

    Um ano depois, foram classificados como Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). “São o grupo de geóglifos mais notável do mundo e são incomparáveis em extensão, magnitude, quantidade, tamanho e diversidade em relação a qualquer outro trabalho similar no mundo”, afirmou a Unesco.

    “Constituem um feito artístico singular e magnífico da cultura andina”, adiciona a instituição.

O significado de muitos desenhos segue, até hoje, desconhecido.

Fonte: BBC Brasil e Site Qual Viagem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: