A engenhosa técnica utilizada pelos maias para utilizar um bem vital

Na antiga cidade maia de Tikal, na Guatemala, os visitantes se veem cercados por íngremes pirâmides de calcário quase tão altas quanto a catedral de Notre Dame, em Paris, enquanto gritos de macacos bugios e tucanos emanam da floresta tropical ao fundo.

Construídas sem a ajuda de animais de carga, ferramentas de metal ou a roda, essas grandiosas construções de pedra serviram como sedes de poder para os reis e sacerdotes que governavam uma das cidades-estado mais influentes do reino maia, que abrangia a Península de Yucatán, no México, Guatemala, Belize, partes de Honduras e El Salvador.

Tikal era o centro econômico e cerimonial de uma civilização que, à luz dos recentes mapeamentos aéreos a laser que revelaram mais de 60 mil estruturas escondidas por séculos em meio à selva, pode ter abrigado de 10 a 15 milhões de habitantes no total. Na presença dos enormes palácios e templos de pedra de Tikal, cada um posicionado levando em conta a movimentação diária do Sol no céu, a proeza dos maias como arquitetos e astrônomos se avoluma.

Mas os maias nunca teriam previsto eclipses com precisão e esses monumentos nunca teriam sido erguidos em direção ao céu sem o domínio de algo muito mais elementar para a sobrevivência em Tikal: a água.

Sem rios ou lagos por perto, os maias tiveram que criar uma rede de enormes reservatórios para coletar e armazenar água da chuva suficiente durante a estação chuvosa para abastecer sua considerável população — as estimativas variam de 40 mil a 240 mil pessoas no apogeu da cidade no século 8 — durante os quatro a seis meses de estação de seca.

Esses reservatórios propiciaram mais de 1.000 anos de presença maia em Tikal, de aproximadamente 600 a.C. até seu centro urbano ser abandonado pela classe dominante por volta de 900 d.C. No ano passado, arqueólogos descobriram por meio de técnicas científicas modernas uma nova proeza dos feitos hidrológicos dos maias. Amostras de sedimentos retiradas dos reservatórios de Tikal revelaram que os maias criaram o mais antigo sistema de filtragem de água conhecido no hemisfério ocidental.

O sistema de purificação de água dos maias era tão avançado que um de seus principais materiais, a zeólita, ainda é amplamente utilizado nos filtros de água de hoje.

As zeólitas são um tipo de mineral vulcânico composto principalmente de alumínio, silício e oxigênio que se forma quando a cinza vulcânica reage com a água subterrânea alcalina. Elas se apresentam em muitas formas e possuem propriedades físicas e químicas únicas que permitem filtrar contaminantes — desde metais pesados ​​a micróbios minúsculos.

Os grãos individuais de zeólitas têm uma estrutura porosa, o que faz deles excelentes filtros físicos, e também são carregados negativamente, o que significa que outros elementos se ligam prontamente a eles.

A civilização maia chama atenção pela sua arquitetura e astronomia surpreendentes – Foto: Samantha Haebich – GETTY IMAGES

Isso quer dizer que quando a água passa pelas zeólitas, as partículas suspensas podem ficar física ou quimicamente presas aos grãos de zeólitas enquanto a água continua fluindo pelas aberturas. Embora os arqueólogos só tenham encontrado zeólitas em um dos reservatórios de Tikal, agora conhecido como Corriental, fragmentos de vasos de argila encontrados ali sugerem que a água purificada de era usada especificamente para beber.

Os pesquisadores por trás da descoberta dizem que o uso maia das zeólitas é o mais antigo uso conhecido do mineral para purificação de água no mundo, antes de aparecer novamente em um sistema de filtragem de areia desenvolvido pelo cientista britânico Robert Bacon em 1627 — cerca de 1,8 mil anos depois.

O sistema de filtragem de água por zeólitas dos maias, que os acadêmicos acreditam ter sido construído por volta de 164 a.C., é anterior a um filtro de pano conhecido como “luva de Hipócrates”, que foi desenvolvido na Grécia antiga por volta de 500 a.C., mas o método dos maias teria sido muito mais eficaz na remoção de contaminantes invisíveis, como bactérias ou chumbo.

“Sou um nativo americano e sempre me incomodou que os arqueólogos e antropólogos tradicionalmente presumissem que os povos indígenas das Américas não desenvolveram o músculo tecnológico que foi encontrado em outras partes do mundo antigo, em lugares como Grécia, Egito, Índia ou China”, diz Kenneth Tankersley, geólogo arqueológico da Universidade de Cincinnati, nos EUA, e principal autor do estudo que documenta o uso de zeólitas pelos maias.

“Este sistema propiciou aos maias água potável segura por mais de 1.000 anos, e outros sistemas de filtração conhecidos daquela época eram primitivos em comparação a ele — o método de filtração grego antigo era apenas sacos de pano.”

Tikal está localizada onde hoje é o norte da Guatemala, e nesta parte do mundo há apenas duas estações: uma muito úmida, e outra muito seca. Para tornar as coisas ainda mais desafiadoras, as chuvas torrenciais da estação chuvosa escoam rapidamente porque, à medida que a água da chuva se infiltra pela fina camada superficial do solo, torna-se ácida o suficiente para dissolver o calcário rico em cálcio que compõe a base rochosa da região.

Isso cria o que os geólogos chamam de paisagem cárstica, repleta de buracos e cavernas onde o lençol freático fica a cerca de 200 m abaixo da superfície, bem fora do alcance dos maias. Sem fontes de água doce por perto para usar, os moradores dessa metrópole da América Central tiveram que inventar maneiras de fazer a água durar quando chegasse na estação chuvosa. É aí que entram em cena os reservatórios — e como Tikal está localizada em torno de uma colina, os maias foram capazes de utilizar habilmente as encostas para canalizar água para esses reservatórios.

Até mesmo a grande praça central, que fica entre os Templos 1 e 2 e é ladeada pela acrópole principal, é pavimentada com pedras enormes que foram colocadas na inclinação certa para drenar a água em canais que desaguam nos reservatórios do Templo e do Palácio próximos.

Os visitantes modernos de Tikal precisarão fazer um esforço extra para localizar os reservatórios, que se apresentam hoje principalmente como depressões no solo, mas algumas das barragens e bermas de barro usadas para reter as vastas quantidades de água que outrora matavam a sede da cidade ainda são evidentes para o observador informado.

Lar de até 240 mil pessoas em seu apogeu no século 8, Tikal foi abandonada por volta de 900 d.C. Foto: Hvalar – GETTY IMAGES

Estima-se que o reservatório do Palácio já armazenou 31 milhões de litros de água, e acredita-se que o Corriental purificado por zeólitas teve uma capacidade de 58 milhões de litros em seu apogeu.

A descoberta do sistema de filtração de Corriental surgiu de um trabalho de campo realizado por volta de 2010, quando os pesquisadores coletaram 10 amostras de sedimentos de quatro reservatórios de Tikal.

Estas amostras revelaram que níveis perigosos de contaminação por mercúrio e sinais de proliferação de algas tóxicas infestaram os reservatórios do Palácio e do Templo, perto do coração de Tikal, na época em que as elites dominantes abandonaram o centro da cidade no século 9.

Mas quase tão impressionante quanto a própria contaminação foi o fato de que o reservatório de Corriental permaneceu praticamente intocado, mesmo quando os reservatórios do Palácio e do Templo se tornaram tóxicos.

Quando Tankersley analisou mais de perto as amostras de Corriental, ele encontrou quatro camadas discretas de areia que apresentavam pedaços de quartzo cristalino e zeólitas, que não apareciam em nenhum dos outros reservatórios.

Quando a equipe fez um levantamento do entorno, não havia fontes naturais desse tipo de areia, muito menos de zeólitas, levando os pesquisadores a sugerir que o material havia sido trazido intencionalmente para uso em algum tipo de filtro na entrada do reservatório.

Por acaso, um dos pesquisadores do projeto sabia de uma depressão a cerca de 30 km a nordeste de Tikal que apresentava uma areia de aparência semelhante, que é conhecida como Bajo de Azúcar, que os moradores locais haviam dito a ele ter água cristalina e de sabor doce.

Os testes revelaram que as rochas e areia de Bajo de Azúcar continham zeólitas e, portanto, podem ter sido a fonte de Tikal para as zeólitas em Corriental. “Sem uma máquina do tempo, não sabemos o que aconteceu exatamente”, diz Tankersley.

“Mas não é preciso muita dedução para imaginar alguém de Tikal pensando: ‘Se água doce e limpa está saindo desse tufo vulcânico cristalino, talvez poderíamos quebrar alguns e usar para tornar a nossa água limpa também’.”

Os pesquisadores levantam a hipótese de que a areia de zeólitas pode ter sido imprensada entre camadas de folhas de plantas entrelaçadas para fazer filtros. Esses filtros podem ter sido embutidos em paredes porosas de tijolos de calcário que os maias instalaram no caminho da água que flui para o reservatório.

De acordo com o estudo que detalha o uso de zeólitas pelos maias, a areia por si só faria a água parecer clara, mas não teria nenhum impacto sobre os micróbios ou o mercúrio. Com a adição de zeólitas, os maias obtiveram água límpida que também era limpa até para os padrões modernos.

“Os maias podem não ter entendido o que a zeólita em particular estava fazendo, mas entenderam a importância de manter a água limpa”, afirma Lisa Lucero, antropóloga da Universidade de Illinois, nos EUA, que não estava envolvida no estudo. “E empregaram sua tecnologia e seu conhecimento do meio ambiente para purificar sua água potável.”

As quatro camadas de areia contendo zeólitas sugerem que o filtro foi destruído por enchentes durante as estações chuvosas particularmente fortes e, subsequentemente, reconstruído várias vezes. Embora Corriental seja o único lugar onde este sistema de filtragem de zeólitas maia foi encontrado, isso não exclui seu uso em outros lugares.

Liwy Grazioso, diretora do Museu Miraflores da Guatemala e coautora do estudo que descobriu a contaminação dos reservatórios do Palácio e do Templo, espera que esta descoberta incentive mais pesquisas sobre os reservatórios maias. “Não creio que Tikal fosse o único local com esta tecnologia”, diz ela.

“Os reservatórios estavam por toda parte no mundo maia e apenas alguns foram estudados, mas se não os estudarmos, nunca saberemos.” Para Tankersley, essas descobertas revelam as riquezas que podem ser encontradas quando os pesquisadores olham além dos artefatos brilhantes feitos de ouro ou jade.

Ele sugere que os visitantes de Tikal não devem se maravilhar apenas com as estruturas, mas também contemplar as pessoas que as construíram há 1.000 ou até 2 mil anos atrás, sem máquinas ou animais de carga.

“Pense sobre quais foram suas realizações”, diz ele, “e lembre-se de que este não é um povo extinto, essas realizações são herança da moderna população indígena da América Central.”

Fonte: BBC Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: