Resgatando as origens

Beleza, charme, gingado, talento e carisma são atributos que nunca faltaram pra musa Jennifer Lopez. A diva latina não se destaca apenas por ser um ícone da música, do cinema e da moda, mas por ter superado todos os tipos de obstáculos como defensora das próprias raízes e dos direitos das mulheres.

Em 2015, a ONU nomeou Jennifer Lopez como a primeira mulher porta-voz e defensora das meninas e das mulheres, com a meta de lutar contra a violência sexual e ajudar as grávidas e mães jovens com necessidades econômicas, entre outras atribuições.

Nascida em 24 de julho de 1969, em uma família de origem porto-riquenha no bairro do Bronx, em Nova York, Jennifer sempre sonhou em ser artista, tanto que começou a fazer aulas de dança e canto aos cinco anos. Ferrenha defensora das raízes latinas, J-Lo sempre expôs suas origens nos projetos sociais nos quais está envolvida, tendo também se posicionado contra a política de imigração do presidente dos EUA, Donald Trump.

Em 2016 Jennifer se aventurou cantando em português, com ninguém menos que o rei Roberto Carlos.

Os maiores hits de sua carreira como “On the floor”, “If you had my love” “Love don´t cost a thing”, entre outros, são em inglês, mas J-Lo frequentemente retoma suas origens latinas cantando em espanhol. Em 2007 ela lançou “Como ama una mujer” um álbum inteiro em castelhano.

Essa canção faz parte do álbum “Como ama una mujer” lançado em 2007.

“O espanhol é uma língua mais descritiva e soa melhor, é uma língua romântica”, disse em entrevista ao jornal colombiano El Tiempo. Embora seja filha de porto-riquenhos, a estrela aprendeu espanhol há pouco tempo; E a atriz e cantora continua a receber aulas particulares do idioma. A própria artista comentou que é importante para ela aprender a língua para se conectar com seus milhões de fãs, e por isso considera que os filhos, Max e Emme, também devem saber falar fluentemente o espanhol.

O single “El anillo”, lançado em 2018, tem a batida do funk carioca.

Fontes: Portais – Terra e Uol.

Nos embalos da zumba

Neste ano de 2020, tivemos que mudar radicalmente nossos hábitos devido à pandemia do coronavírus. Ficar dentro de casa, em tempo integral, não é uma tarefa fácil e pode causar danos à saúde física e mental. Especialistas recomendam tentar manter uma rotina durante o isolamento, pra que não haja tantos efeitos colaterais. Uma das recomendações é tentar se exercitar dentro das nossas residências, e nesse quesito a zumba pode ser uma importante aliada.

A zumba é um exercício dançante criado na Colômbia há alguns anos, que rapidamente conquistou o público a partir de 2001, tornando-se uma das atividades favoritas do público europeu.

No modelo padrão, uma aula de zumba dura de 45 minutos a 1 hora. Um professor ultra-dinâmico lhe oferece sequências curtas de dança, acompanhadas de músicas inspiradas nas danças latinas como salsa, merengue, samba, mambo e por aí vai. O rebolado é a base da dança latina, e, portanto, da zumba. Os outros movimentos principais são saltos e giros. Para encerrar, as aulas sempre terminam com alguns minutos de alongamento.

Benefícios da zumba

  • Queima de 500 a 1000 calorias em uma aula, dependendo da intensidade do treino.
  • Por ser uma prática bem alegre, divertida, beneficia a autoestima dos seus praticantes e ainda interação com os outros alunos, tornando-se uma aula bem social.
  • Beneficia a coordenação motora, deixando os reflexos mais rápidos e melhora o equilíbrio. Isso tudo devido aos movimentos da zumba que mistura movimentos rápidos e lentos, variando a velocidade.
  • Melhora também o sistema cardiovascular, devido aos movimentos de respiração que ocorrem durante os exercícios e ajudam a saúde do coração.
  • A zumba trabalha muito os músculos inferiores (músculo da coxa, glúteo e músculo posterior da coxa e panturrilha). O que faz com que haja o fortalecimento dos mesmos, deixando sua perna e bumbum durinhos. Os músculos do CORE (abdômen, cintura e quadril) também são muito usados.
  • A atividade é ótima para a memória, pois os passos ensinados pelo professor devem ser lembrados para as próximas vezes.
  • A modalidade faz com que você se sinta em uma festa. A coreografia é fácil de aprender, uma vantagem para que o aluno não se sinta intimidado por não saber dançar.

São muitos benefícios não é verdade? Se você se interessou pela zumba recomendo que siga o canal no Youtube do professor cubano Lessier Herrera. Ele sempre posta novos vídeos com ótimas coreografias e o melhor: a maioria das músicas selecionadas está em espanhol. 😀

Fonte: Site Guia da semana

Superando o medo do inimigo invisível

O coronavírus atingiu um dos cantores latinos mais queridos em todo o mundo: o uruguaio Jorge Drexler, que vive atualmente em Madrid. Mas, felizmente ele está recuperado e já pode fazer uma das suas atividades preferidas: tocar violão. A esposa do artista também testou positivo para a Covid-19 e se recuperou bem.

Em entrevista ao Jornal o Globo, o músico, de 55 anos, conta que a primeira a ser contaminada foi sua esposa, a atriz e cantora espanhola Leonor Watling.  Ela esteve em uma premiação de cinema de onde muita gente saiu doente. Dias depois, foi ele quem começou a sentir-se mal. Evitou ir ao hospital para não sobrecarregar o sistema de saúde, já que o exame clínico é recomendado apenas para os casos mais graves. Ligou para um médico e, ao narrar o que sentia, teve um diagnóstico positivo para o vírus.

Jorge Drexler e sua esposa contraíram a Covid-19.

O corpo todo dói muito, é uma tosse esquisita. Senti a fragilidade humana no meu corpo. O mais estranho foi perder olfato e paladar. Também senti um peso no peito e tive muito medo, um medo que eu não experimentava há muito tempo. Mas essa não deve ser nossa força motriz. O medo é um mau conselheiro, porque parte da população que deveria se cuidar em casa satura as emergências públicas — alerta o compositor, que também é médico (especializado em otorrinolaringologia) e trabalhou durante cinco anos em emergências hospitalares.

A experiência rendeu muitas amizades na área. E é por meio de um chat com esses amigos médicos que ele recebe, diariamente, notícias do front do combate ao coronavírus no Uruguai. No entanto, desde que se curou da doença, tem se dedicado mesmo aos assuntos escolares dos filhos pequenos, de 8 e 11 anos.

Mudança radical na rotina

A proximidade entre pais e filhos é um efeito positivo desse momento. Tem sido lindo. Mas é cansativo. Tem o homeschooling, e sou um pouco impaciente. É um aprendizado — conta ele, enquanto a filha aparece na tela para dar um oi. — É um momento de celebração da vida familiar e me sinto feliz estando em casa. O que é surpreendente porque sou muito social. Normalmente, quase toda noite, estou em botecos ou cozinhando para amigos.

Em seu Instagram o cantor alertou a seus seguidores, especialmente aos da América Latina,  sobre a importância da conscientização de todos nesse momento tão delicado: “Queridos amigos, vocês tem uma oportunidade única de não cometer os mesmos erros que cometemos na Espanha e na Itália. Deem um exemplo ao mundo: Fiquem em casa. Evitemos o pico de contágio massivo. É a única forma de não saturar os sistemas de saúde e permitir que os casos graves se salvem” – escreveu em postagem na rede social.

Antes de adoecer, Jorge havia composto a canção Codo a Codo (Cotovelo com Cotovelo)  que deixa uma mensagem de alento para que possamos superar essa fase tão difícil:  “Já voltarão os abraços os beijos, dados com calma. Caso encontre um amigo, cumprimente-o com a alma.  Sorria, mande um beijo. Desde longe, seja próximo, não se toca o coração somente com a mão”, diz um trecho da canção…

Fonte: Jornal O Globo e Portal Uol

Quédate en casa

Nesses tempos de pandemia a união faz a força para vencer a ameaça letal do coronavírus. Os profissionais de saúde, e todas as profissões dos chamados serviços essenciais, estão trabalhando como verdadeiros heróis tentando impedir que o caos se implemente em um momento tão difícil.

 Quem não se enquadra nesse grupo de trabalhadores indispensáveis está contribuindo de uma outra forma também muito importante: ficando em casa na maior parte do tempo possível. Parece pouco, mas essa atitude pode fazer toda diferença. Países que reduziram ao máximo a circulação de pessoas conseguiram manter o nível de contágio do novo coronavírus bem mais baixo do que outros que resistiram em fazer quarentena a princípio.

Pensando em conscientizar as pessoas pra esse fato, o cantor e compositor Ariel de Cuba lançou a música “Quédate en casa”, (Fique em casa) que rapidamente se tornou um hit entre os confinados em toda América Latina, Espanha e em várias outras  partes do mundo.

Ariel conta que todo o processo de criação ocorreu de maneira bem natural: “Fiz esta canção no primeiro dia de quarentena, as coisas do coração movem massas. No mesmo dia compus, cantei, produzi, masterizei  e fiz o vídeo para ajudar a campanha #Quedateencasa.”

“Foi a maneira que eu encontrei para levar às pessoas uma mensagem positiva e útil. Não importa qual seja sua ideologia, raça ou religião é o momento de todos nos unirmos” – ressalta o artista.

 Além da letra, que tem uma mensagem pra lá de importante, o ritmo da música também é excelente para dançar. Ótima opção pra se exercitar em casa nessa quarentena. 👇

*Fonte Youtube

Febre, muito antes do sertanejo universitário

No último post, vimos sobre como a Bachata, tomou conta das paradas brasileiras, nos últimos anos, através do boom do sertanejo universitário. Mas o ritmo latino já fazia sucesso no Brasil há bastante tempo atrás. Quem nunca cantarolou “Borbulhas de amor” de Raimundo Fagner”? A canção, extremamente popular nos anos 90, é uma versão de “Burbujas de amor” de um dos principais nomes da Bachata no mundo, o dominicano Juan Luis Guerra.

E você sabia que a letra original dessa música era em espanhol? 😱 Yo tampoco… Rs

Você sabe de onde veio a bachata, ritmo que conquistou o Brasil?

Você que é fã de Gusttavo Lima, Marília Mendonça, Zé Neto e Cristiano, entre outros artistas da nova geração do sertanejo, já deve ter reparado que esses cantores tem um grande número de visualizações e centenas de comentários em seus vídeos. O que você talvez ainda não tenha percebido, é que entre esses inúmeros comentários, existe uma grande quantidade escrita em espanhol. Na maioria dessas postagens, os fãs latinos elogiam a forma como esses artistas brasileiros utilizam a bachata em suas canções. Mas, afinal de contas, o que é essa tal de bachata?

Bachata é um gênero de música popular que nasceu na República Dominicana e depois se expandiu para muitos países. Combina merengue, bolero e outros estilos. Graças ao seu ritmo, considera-se que bachata é um gênero dançante.

A origem etimológica da palavra bachata é encontrada na África. No início do século XX, a expressão foi usada em alguns países da América Central e do Caribe para nomear uma festa  ou uma farra. Ao longo dos anos, na República Dominicana começaram a usar o termo para nomear um gênero musical que surgiu em áreas pobres urbanas a partir da combinação de estilos diferentes.

Por suas gravações de 1962, José Manuel Calderón é considerado o primeiro músico a gravar músicas de bachata em um disco. Outros pioneiros do gênero foram Tommy Figueroa e Rafael Encarnación. Entre os intérpretes de bachata, mais populares dos últimos anos, podem ser mencionados Juan Luis Guerra, Romeo Santos e Prince Royce, que venderam milhares de álbuns e fizeram turnês internacionais de muito sucesso. A dança bachata consiste em passos simples que levam a dançarina de um lado para o outro ou da frente para trás. Quanto às letras da bachata, elas se destacam pela nostalgia e melancolia.

“Milu”, de Gusttavo Lima, uma das músicas mais tocadas no Brasil, em 2020, tem a batida da bachata.

Para reconhecer a batida da bachata, é preciso prestar atenção na percussão marcada. Ela vem do bongô, instrumento com dois pequenos tambores unidos, e da güira, cilindro de metal que produz um som mais sutil.

Bongô e guira, instrumentos tradicionais do ritmo latino.

“A bachata é um ritmo dançante, mas não é rápido. Ela passa certa sensualidade, uma malícia. O sertanejo também tem isso, por isso encaixa tão bem. Com a combinação certa, fica perfeita para dançar. E também pode ser triste, a depender da letra.”

A explicação acima é de Eduardo Pepato, produtor que trabalha com Marília Mendonça. “Todo o projeto dela é em cima dessa percussão”, diz. É possível identificar influência clara de bachata em músicas como “Infiel”, “Amante não tem lar”, “Eu sei de cor” e “Ciumeira”.

O estilo surgiu na década de 1950, marginalizado em cabarés da República Dominicana. No Brasil, seus primeiros registros no sertanejo são de meados de 2010, ano em que Zezé di Camargo e Luciano lançaram “Eres todos los extremos”, cantada em espanhol. A faixa foi produzida pelo uruguaio Augusto Cabrera, um dos mais procurados por artistas brasileiros interessados em referências latinas.

“Naquela época, pouca gente aceitava [esse tipo de referência] porque era muito diferente do que se fazia no Brasil. Os artistas curtiam muito, mas as rádios e gravadoras não estavam na vibe”, lembra.

O produtor, que também trabalhou o gênero com Eduardo Costa, Zé Felipe e Gusttavo Lima, explica que o movimento é anterior ao da música urbana latina – gênero que inclui o reggaeton. A partir dos anos 80, porém, a bachata acabou “engolida” por esses ritmos derivados do Panamá, Porto Rico e Caribe. 

Mesmo assim, ela tem mais chances de durar, ao menos no Brasil, na opinião de Pepato. A influência de bachata é mais perene que é a do regaetton, ela ainda deve continuar na música por muito tempo”, avalia.

Um dos pontos que contam a favor é o bom relacionamento entre o gênero dominicano e sons que correm no “sangue do povo” brasileiro, aponta Cabrera. “A essência é muito parecida com a do sertanejo sofrência”, diz. E continua:

“Ela fala muito sobre sofrimento, sobre beber para esquecer. E o jeito de cantar é bem ligado ao povo, não é chique. Para vários países, a bachata é como se fosse o ritmo da sofrência.”

“Me pedem bastante músicas com um pouquinho de bachata e um pouquinho de arrocha”, acrescenta o produtor. Ele lembra que, no Brasil, misturado a outros estilos, o gênero chega bem diluído. “O que fazem aqui é colocar uns 5% das coisas de lá [da República Dominicana].”

Ao que tudo indica, a Bachata regressou ao Brasil pra ficar… 🎼

Confira o dueto de Juan Luis Guerra e Romeo Santos e Romeo dois grandes representantes da bachata pelo mundo.

Fonte: Portal G1 e Site Conceito.De

Inspiração brasileira

A música brasileira tem fãs espalhados ao redor do mundo e na nossa vizinha Argentina não é diferente. Muitos intérpretes tupiniquins são consagrados por lá, chegando inclusive a inspirar artistas locais como a banda “Ataque 77”. O conjunto de punk rock argentino, formado em 1987,  inicialmente se juntava para tocar algumas canções de composição própria e para fazer covers de outras bandas, principalmente dos Ramones. Sua canções tem também influências de outras bandas como Sex Pistols, The Clash e Bad Religion.  

Nos últimos anos, o grupo diversificou os estilos e alcançou maior reconhecimento  e expansão no número de fãs devido às bem-humoradas covers, principalmente de artistas de estilos totalmente diferentes, como da banda brasileira Legião Urbana e do Rei Roberto Carlos.

Confira abaixo a versão em espanhol desses grandes sucessos brasileiros:

Fonte: Letras.com.br

Medellín

A rainha do pop tem o impressionante dom de se renovar constantemente. Sempre atenta às novas tendências, a musa resolveu entrar na onda de um dos principais ritmos do momento, o reggaeton latino. Madonna convidou o colombiano Maluma para participar de seu novo trabalho de estúdio “Madame X” que será lançado em junho.

A canção estrelada pelos dois astros, é o primeiro single do álbum e se chama “Medellín”, em referência à cidade natal do cantor. O vídeo clipe, dirigido Diana Knust, mostra a cantora encarnando a personagem que dá título ao disco, com tapa-olho e chicote em mãos. Em meio ao sadomasoquismo estetizado, a produção mostra os artistas cantando juntos e esbajando sensualidade em diversas cenas, numa inegável química.

Parceria

Madonna não poupou elogios a Maluma em uma entrevista para divulgar seu novo single com o colombiano. A rainha do pop falou ao programa Zane Lowe World Record na Apple Music e contou como conheceu o artista nos bastidores de uma premiação da MTV em Nova York em Agosto de 2018:

“O conheci nos bastidores do Video Music Awards e ele foi muito gentil. No outro dia, me mandou flores e disse que havia sido uma grande honra me conhecer. Então fiquei sabendo através do empresário dele que ele queria fazer uma parceria comigo”, contou Madonna sobre o nascimento da parceria. “Passei a ouvir o trabalho dele com mais atenção, o reggaeton, e decidi que queria fazer algo um pouco diferente, mas que tivesse uma conexão com o tipo de música que ele faz e com o que eu pretendia colocar no “Madame X” – relatou a cantora.

madonna 2
Madonna esbanjou elogios ao novo parceiro – Imagem Reprodução Internet

“Ele passou a opinar e acrescentar algumas coisas na música, e então nos reunimos em estúdio para gravar. Ele é ótimo, uma das pessoas mais tranquilas e generosas que eu já trabalhei –  não deixou o estúdio até que tudo estivesse concluído, é muito ético. Adoro ele. Não há nada além de elogios que eu possa falar”, finalizou Madonna sobre o cantor e novo parceiro musical”.

Honra

O jovem artista colombiano não escondeu a emoção de cantar com a maior estrela da música pop e publicou uma reação emocionada no seu perfil do Instagram.

“Impossível conter as lágrimas e a emoção ao ouvir isso. Vocês não têm ideia da minha felicidade e o que isso representa para a minha vida. Eu digo: vale a pena sonhar!”

Fonte: UOL – Entretenimento

Mel para os ouvidos

Sabe quando você está de boa no Youtube ouvindo suas playlists de sempre e de repente se depara com uma parceria inédita e de encher os olhos? A sensação é ótima não é? Dá vontade de não só ouvir, mas também de parar o que estiver fazendo pra assistir. Foi exatamente o que eu fiz outro dia desses ao encontrar o dueto de ninguém menos que Djavan e o ganhador do Oscar, Jorge Drexler.

Com mais de 40 anos de carreira, Djavan é um dos principais nomes da música brasileira. Com sua voz suave e letras românticas, suas canções se tornaram extremamente populares no país, ao serem tema de várias telenovelas da Rede Globo. No final do ano passado, o cantor lançou o álbum “Vesúvio” e quebrando um jejum de 17 anos sem participações em seus discos de estúdio  anunciou um dueto com o cantor uruguaio, na canção que tem uma versão em português chamada “Meu Romance” e outra em espanhol, composta por Drexler, com o nome “Esplendor”, que é a faixa bônus do CD.

O resultado, como você deve imaginar, ficou esplendoroso Rs

Confira no vídeo abaixo os bastidores dessa doce parceria e  veja na sequência as versões da canção em espanhol e português 🎤

Fonte: Portal Pop Line

Música para curar

Muita gente não sabe, mas um dos principais nomes da música latina, o uruguaio Jorge Drexler, além de cantor e compositor, é formado em medicina. Recentemente, o artista teve a oportunidade de concialiar suas dois paixões: Ele começou a participar de um  projeto promovido em hospitais espanhóis chamado “Música en Vena” – Música na veia.

A iniciativa tem como objetivo levar canções a pacientes que estão ingressados em diferentes áreas de hospitais na Espanha. “É um público muito especial porque se encontra muito sensível”, assegura Jorge, que já trabalhou muito tempo em hospitais do  Uruguai.

Jorge
O cantor e compositor uruguaio Jorge Drexler é formado em medicina – Imagem – Internet 

“É um privilégio para alguém que escreve canções e que vive de música tocar em um momento delicado do ser humano, como é o momento de estar em um hospital”, diz Drexler. “Um dos doutores que nos acompanhou nos disse que com o sorriso que se produz e com o ambiente que deixamos na sala já alcançamos um avanço” – ressalta o cantor.

Seu contato com a enfermedade, com o sofrimento humano, com a fragilidade da saúde proporciou ao cantor a oportunidade de dispensar uma identidade compositiva mais sensível em sua música que, depois de anos e voltas,  o levou a se reencontrar com as frias salas de um hospital. A intenção é poder fazer com que esses lugares se aqueçam um pouco com suas melodias.

Canções para Irene

Irene Roblas nasceu prematura. Seu corpo é pequeno e frágil. Por isso, no Hospital Severo Ochoa de Leganés em Madrid, estão dando todo o suporte que a família necessita.

Música en vena ajuda a tornar o ambiente hospitalar menos hostil e mais familiar para os pacientes e familiares”, comenta  Ersilia González, responsável pelo setor de recém-nascidos  do centro médico.

“Estavam presentes os pais e a neonatóloga que acompanha  Irene e pudemos notar a reação dela através dos movimentos” – acrescenta Drexler, que deu um recital pessoal  e íntimo para esta bebê que, naquele momento, completava 22 dias em uma incubadora, lutando pela vida.

“Eu acredito que a música  cura, claramente”, concluie.

Assista ao emocionante vídeo de Jorge cantando para a pequena Irene ❤

Fonte: Site La Red21

Blog no WordPress.com.

Acima ↑