Como vivem os brasileiros na Antártida, o único continente sem coronavírus

Um grupo de 16 militares da Marinha do Brasil — 15 homens e uma mulher — permanecem em um “isolamento dentro do isolamento” na Antártida, o único continente do mundo onde não há casos confirmados do novo coronavírus.

Eles moram e trabalham na nova Estação Antártica Comandante Ferraz desde sua reinauguração, em janeiro deste ano, após um incêndio que destruiu parcialmente a estrutura anterior e causou a morte de dois militares em 2012.

E, agora, por causa da pandemia de covid-19, também já não podem mais se encontrar com integrantes de outras bases, como a Estação Polonesa Henryk Arctowski, a mais próxima da brasileira, distante cerca de dez quilômetros. Visitas turísticas também foram vetadas.

A BBC News Brasil conversou por videochamada com dois integrantes do grupo: o capitão de fragata Luciano de Assis Luiz, chefe da estação, e a capitã-tenente Letizia Aurilio Matos, médica.

“Nosso contato com o mundo exterior é apenas por telefone ou videochamada. Mas, diferentemente de vocês, fomos preparados para esse isolamento”, resume Luciano.

Manter a rotina

A jornada dos 16 militares começou em 4 novembro do ano passado, quando desembarcaram na Península Keller, na ilha Rei George, onde fica a estação brasileira, para a missão de passar 13 meses no continente gelado — ou seja, antes de o coronavírus se alastrar pelo mundo.

São 16 militares da Marinha do Brasil que vivem atualmente no continente gelado.

Inicialmente, ocuparam o Módulo Antártico Emergencial (MAE) até a inauguração oficial da estação, em 15 de janeiro deste ano.

Desde então, nenhum deles deixou a Antártida — até a primeira quinzena de dezembro, vão permanecer isolados do restante do mundo.

A troca das equipes é feita durante o verão, uma vez que as temperaturas mais amenas facilitam a logística. É também nessa época que a estação brasileira recebe pesquisadores, responsáveis por coordenar estudos de ponta.

“O mais importante aqui é manter uma rotina. Um padrão de trabalho. Horário para acordar. Horário para trabalhar. Horário para fazer atividades físicas. Horário para se integrar”, diz Luciano.

Ele conta que, a partir de março, com o fim do verão, os pesquisadores vão embora e os militares se dedicam, principalmente, a atividades relacionadas à manutenção da estação.

“Temos que manter os geradores funcionando. Toda a parte de limpeza, geração de energia, tratamento de água. Também precisamos que verificar os módulos externos e os refúgios”, explica.

Essas incursões externas são sempre precedidas de uma análise de riscos, acrescenta o comandante.

Academia de ginástica é uma das amenidades da nova estação.

“Faço a análise de riscos no dia anterior. Avalio aspectos como temperatura, pressão e velocidade do vento. Por exemplo, quando a pressão está caindo, é sinal de que vai vir uma tempestade. Também checo as previsões nos sites meteorológicos”, enumera.

“Já aconteceu três ou quatro vezes de pedir para a equipe retornar à estação. Dependendo do local, isso pode demorar de quatro a seis horas”, acrescenta.

O único caso de emergência aconteceu com uma alpinista brasileira durante o verão, lembra Letizia.

“Ela caiu de uma altura de três metros. Fizemos toda a a estabilização aqui no setor de saúde da estação. Entramos em contato com o hospital da Marinha no Rio de Janeiro, para consultar as condições clínicas da paciente, e fizemos a evacuação aeromédica. Machu Picchu (a base peruana) nos ajudou”, diz.

Desde então, acrescenta Letizia, “houve outros episódios, mas de menor complexidade. Os meninos pegam muito peso e, algumas vezes, têm dores articulares”, acrescenta.

Letizia Aurilio Matos é a médica da estação.

O desafio maior, no entanto, ocorre agora durante o inverno, quando os mares em volta da estação congelam, as temperaturas caem para menos de 20 graus negativos e a escuridão impera — não há praticamente luz do sol.

Só há duas estações polares: verão e inverno (cada um dura seis meses). Isso porque os polos recebem menos energia e calor do Sol, devido à inclinação e órbita da Terra.

Também durante o inverno, alimentos perecíveis e outros itens de necessidade são atirados pelos Hércules C-130 da Força Aérea Brasileira (FAB), uma vez que não é possível mais pousar na estação, devido às baixas temperaturas.

“São pacotes fechados que caem de paraquedas. Recebemos frutas, legumes, verduras, laticínios e ovos”, diz Luciano.

A alimentação é completada por produtos congelados, estocados na estação.

Crescimento pessoal e profissional

Os militares destacam o crescimento “pessoal e profissional” que vêm tendo em meio à experiência de viver na Antártida.

“Uma das coisas mais importantes aqui para mim é o crescimento pessoal. Aprendi a ouvir mais e a lidar melhor com as pessoas. Tenho que saber lidar entre ser militar e ser família. Não dá para ser militar 100% e não dá para ser família 100%. É preciso equilibrar”, diz Luciano.

Letizia completa: “O engrandecimento profissional é maravilhoso. Não tenho nem palavras. Somos mais do que uma família. Temos afinidades e diferenças. Mas essas diferenças nos fortalecem e nos unem cada vez mais”.

Laboratórios servem aos pesquisadores durante verão.

Saudades

Além das saudades da família e dos amigos, os militares também dizem sentir falta tanto de alimentos quanto de cores — e até mesmo do barulho típico das zonas urbanas.

“Parece besteira, mas sinto falta de verduras, frutas”, diz Luciano.

“Sinto falta de cores no ambiente. Aqui é muita terra e neve. Também não tem barulho”, acrescenta Letizia.

Para Luciano, não existe “super-homem” na Antártida.

“Sou mergulhador. Estava acostumado com o frio. Aqui o buraco é muito mais embaixo. Ou você sai equipado com luvas e protetor solar, ou vai acabar o dia com problema. Aqui não existe super-homem. É preciso estar consciente dos seus limites”, diz.

Já Letizia diz que quando chegou e contemplou “toda a dimensão” do continente gelado, ficou “surpresa”.

“Nada do que a gente vê pela TV se compara a estar aqui. O frio, as montanhas, a neve”, diz.

“A fauna e a flora são muito ricas. Parece que não, pois tudo é preto e branco. Mas não se trata de um ambiente estéril. O que tem mais aqui é vida”, conclui Luciano.

Nova estação custou quase 100 milhões de dólares

Nova Estação

A um custo de US$ 99,6 milhões (cerca de R$ 490 milhões em valores atuais), a nova estação é maior e mais moderna do que a anterior.

Dividida em três grandes blocos, possui 4,5 mil metros quadrados de área construída, 17 laboratórios e capacidade para até 64 pessoas. Também conta com biblioteca, uma academia e sala de vídeo/auditório.

Segundo o governo, o objetivo é realizar pesquisas em áreas como oceanografia, biologia, glaciologia e meteorologia.

A Estação Antártica Comandante Ferraz foi instalada pela primeira vez ali em fevereiro de 1984.

Fonte: BBC Brasil

Por que todos que aparecem são sempre brancos?

Desde o final do mês de maio, o mundo vem debatendo um tema que já deveria ter saído de pauta há muito tempo: o racismo.

Depois do assassinato covarde de George Floyd, por um policial branco, os Estados Unidos pararam pra acompanhar manifestações que pedem justiça para Floyd e para todos os negros daqui pra frente.

A luta pra combater esse tipo de tratamento injusto, já dura muito tempo. Lá nos anos 70, Muhammad Ali, a lenda do boxe e um dos maiores atletas de todos os tempos, reivindicava uma sociedade mais igualitária para os afro-americanos.

Veja nessa divertida entrevista, divulgada pelo serviço em espanhol da BBC, como desde criança, Ali já questionava como a sociedade não dava voz aos negros. O assunto é sério, mas nada melhor que o humor para criticar nossas mazelas, não é mesmo? ✊

Fonte: BBC Mundo

Argentina e Uruguai cortam despesas políticas para financiar sistema de saúde

Enquanto a pandemia avança e  o número de contagiados e de vítimas fatais cresce, alguns governos da América do Sul estão adotando medidas de ajuste e realocação orçamentária para enfrentar as necessidades financeiras de seus sistemas de saúde. O Uruguai reduzirá em 20% o salário de altos funcionários e aposentadorias mais privilegiadas. Na Argentina,  o presidente da Câmara dos Deputados, Sergio Massa, anunciou que vai transferir fundos destinados ao funcionamento da Casa e os chamados “recursos especiais reservados” dos deputados ao Ministério da Saúde e a organismos que estão atuando no combate ao coronavírus.

O presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, empossado em 1 de março, comunicou a criação do chamado “Fundo Coronavírus”, com recursos de salários de servidores e pessoas com cargos políticos.

— Não vamos reduzir o salário de funcionários públicos e políticos para economizar, e sim para gastar. Isso é solidariedade pura para as pessoas. Precisamos gastar — declarou Lacalle Pou. Seu salário também será reduzido em 20% para contribuir com o novo fundo. — Este é o momento de todos fazermos um esforço — frisou o chefe de Estado uruguaio.

A medida está prevista num projeto de lei que será enviado ao Parlamento do país. A aliança de governo, formada por cinco partidos, tem votos suficientes para aprová-la. De qualquer forma, o respaldo obtido por Lacalle Pou foi expressivo e deve facilitar o rápido tratamento do projeto.

Paralelamente, a Câmara do Uruguai já aprovou a eliminação dos chamados “fundos de imprensa”, em torno de US$ 800 (R$ 4.131) por deputado, previsto para a compra de jornais e revistas no Parlamento. O Uruguai confirmou na semana passada a primeira morte no país por Covid-19.

Na Argentina, país que tem sido elogiado por especialistas pela rapidez em adotar medidas drásticas de combate à pandemia, a Câmara, que está funcionando com reuniões e debates virtuais há mais de duas semanas, redistribuiu despesas.

As medidas de isolamento social adotados na Argentina estão sendo elogiados pelas entidades de saúde. Foto Reprodução Argentina

— Retiramos dos deputados as chamadas “despesas especiais” e usamos os recursos destinados ao funcionamento da Câmara, as despesas logísticas, e tomamos a decisão de que todos esses recursos sejam enviados ao sistema de saúde — explicou ao Jornal “O GLOBO” o presidente da Câmara argentina, muito próximo de seu colega brasileiro, Rodrigo Maia, com quem tem se comunicado nos últimos dias.

Para Massa, “numa emergência não podem existir despesas especiais da política”.

Fonte: Jornal “O Globo”

Coração latino

O mundo do basquete, e dos esportes em geral, começou o ano mais triste com a perda da estrela Kobe Bryant e de sua filha Gianna de apenas 13 anos. O astro do Lakers era conhecido pelo seu imenso talento e também pelo carisma fora das quadras. Kobe tinha um carinho muito especial pelo público latino, já que a mãe de suas 04 filhas, Vanessa tem origem latina: ela nasceu na Califórnia e sua mãe é mexicana.

O craque aprendeu a falar espanhol perfeitamente para se conectar melhor com o público latino que ele tanto apreciava. Confira no vídeo abaixo um agradecimento do Black Mamba a esses fãs especiais. 🥰

Chile aprova reforma tributária que atingirá grandes fortunas

Graças as manifestações populares que tomaram conta do Chile desde o último mês de outubro a população vem conseguindo promover grandes mudanças na política e na economia do país: a mais recente conquista, foi a reforma tributária anunciada pelo governo no final de janeiro.

A reforma tributária busca aumentar a arrecadação anual de impostos em o equivalente a R$ 9,307 bilhões — 55% dos quais virão exclusivamente de impostos aplicáveis aos mais ricos. O dinheiro, segundo o Palácio de La Moneda, será utilizado para bancar a agenda social apresentada para tentar conter as manifestações que começaram no dia 18 de outubro de 2019, em repúdio ao aumento da tarifa do metrô, e rapidamente assumiram reivindicações mais amplas. Ela vai no sentido contrário ao proposto no início do seu mandato pelo presidente Sebastián Piñera, que era reduzir a taxação das empresas.

Entre as medidas que entrarão em vigor estão impostos maiores sobre propriedades que custam mais de 400 milhões de pesos chilenos (R$ 2,15 milhões). Outro ponto é o aumento de 40% nos impostos cobrados sobre a renda anual superior a 184 milhões de pesos (R$ 975,7 mil). Segundo o ministro da Fazenda, Ignacio Briones, seis em cada dez pesos arrecadados com o novo projeto virão dos mais ricos.

Após pressão popular governo chileno foi forçado a rever pontos na reforma tributária e taxar grandes fortunas.

Graças aos protestos do fim de 2019, o texto original da reforma sofreu adaptações, excluindo um de seus pontos mais polêmicos: a redução de impostos para grandes empresas. A nova legislação deverá entrar em vigor em março, tempo necessário para que o texto seja revisado pelo Tribunal Constitucional. Ela estabelece ainda a redução dos impostos para idosos e um imposto sobre serviços digitais, como a Netflix e o Spotify. O projeto também simplifica a cobrança de impostos corporativos, estabelecendo uma taxa de 27% para as grandes empresas.

As maiores mobilizações sociais desde a redemocratização chilena afetaram a economia do país, reduzindo sua previsão de crescimento em 2020 de 2,75% a 3,75% para 0,5% a 1,5%. A proporção das manifestações foi tamanha que o governo viu-se obrigado a convocar um plebiscito constituinte para o dia 26 de abril, no qual o povo chileno decidirá sobre a elaboração de uma nova Constituição que substitua a herdada da ditadura. Outras concessões feitas pelo governo incluíram propostas de reforma nos sistemas de aposentadoria, de saúde e redução dos salários de autoridades, por exemplo.

E no Brasil? Será que um dia as grandes fortunas serão taxadas?🤔 Ou por aqui essa ideia vai continuar sendo uma eterna utopia?

Fonte: Jornal O Globo

Latin Power

O intervalo do Super Bowl 54 vencido pelo Kansas City Cities foi pra lá de especial, principalmente para o público latino: Skakira e Jennifer Lopez esbanjaram energia e fizeram o público mexer as cadeiras em Miami e no mundo inteiro. As estrelas da música pop latina cantaram alguns de seus principais sucessos ao lado de muitos bailarinos numa apresentação impecável. De “brinde”, o hino nacional americano, momento mais solene da final da Liga Nacional de Futebol Americano (NFL) foi entoado pela diva teen Demi Lovato, de ascendência mexicana.

As musas latinas Skakira e Jennifer Lopez sacudiram o público em Miami.

A escolha dessas artistas não aconteceu por acaso e significa muito. Estamos em ano de eleições presidenciais nos EUA, e o discurso anti-migração de Donald Trump, tantas vezes acusado de misoginia, vem sendo cada vez mais posto em xeque por setores da sociedade americana e por grande parcela da comunidade internacional. A escolha de cantoras de grande apelo tem a ver também com uma questão comercial já que nos últimos anos o evento vinha perdendo audiência. Nada mais natural então que convidar estrelas que tem público de várias idades para aumentar o número de espectadores.

E a aposta dos organizadores parece ter dado certo: a apresentação das divas “tombou” a internet. Um dos momentos mais fofos e comentados aconteceu quando a filha de Jennifer Lopez, Emme Maribel, subiu ao palco para se apresentar junto com a mãe. As duas soltaram a voz em Let’s Get Loud e Born in the USA durante o show do intervalo. A performance da garota de apenas 11 anos de idade, que se mostrou tranquila e confiante, encantou os fãs da cantora, que elogiaram sua participação no show nas redes sociais.

JLo e sua filha Emme Mabel encantaram o público durante a apresentação.

O momento mais engraçado ficou por conta da musa Skakira. Tudo aconteceu quando a colombiana, resplandecente em seu look vermelho, resolveu se virar para a câmera do Super Bowl e mostrar a língua em um sinal que muita gente interpretou como “libidinoso”.

“Eu nunca vi algo mais digno de meme do que isso. Eu dou a vocês a língua da Shakira“, escreveu um usuário do Twitter que capturou o momento, atraindo mais de mil “likes”. A partir daí, é claro, a web foi à loucura com comparações e reações a esse instante estranho do Super Bowl.

Shakira também foi comparada com uma cabra, com um gatinho, e até com o Bob Esponja, por usuários do Twitter. O sentimento geral era que a colombiana fez o gesto para aliviar a tensão e “relaxar um pouco” com a língua.

O meme da Nazaré (Renata Sorrah), de Senhora do Destino, que ultrapassou barreiras nacionais, também apareceu nas reações virtuais. “Eu tentando entender por que Shakira achou que era uma boa ideia fazer isso com a língua na TV, ao vivo”, escreveu uma internauta.

Vale notar, no entanto, que o gesto feito por Shakira é tradicional em celebrações libanesas — e a família paterna da cantora, que nasceu na Colômbia, vem do Líbano.

O nome do canto agudo que acompanhou a “linguinha” de Shakira, inclusive, é Zaghrouta, e bastante gente na web celebrou a sua inclusão em um momento de tamanha visibilidade como o Super Bowl. “Este é um jeito de expressar alegria ou felicidade na cultura árabe. Elementos da Zaghrouta podem ser encontrados em outras culturas, incluindo na música balcânica”, explicou um internauta.

Se essa realmente foi a intenção de Skakira, a apresentação ultrapassou ainda mais fronteiras culturais do que estava previsto. Atitudes assim que fazem a América Grande de Novo….

Fonte: Portal Uol Entretenimento

Palácio Maia de mais de mil anos é descoberto no México

A civilização Maia é uma das mais fascinantes de todos os tempos. E todas as descobertas sobre esse povo tão fantástico despertam a atenção de pessoas no mundo inteiro. O mais novo achado foi um palácio que os cientistas acreditam remontar ao auge da civilização – há cerca de 1000 anos.

Os resquícios da construção — de seis metros de altura, 55 m de comprimento e 15 metros de largura — foram encontrados durante uma escavação no sítio arqueológico de Kulubá, no estado de Yucatán, no sul do país. Acredita-se que a estrutura tenha sido usada em dois períodos da história maia desde 600 d.C.

A civilização, uma das mais proeminentes culturas americanas pré-colombianas, prosperou antes da chegada dos espanhóis à região.

Acredita-se que o palácio teria sido usado durante dois períodos da História – Reuters

Eles dominavam a arquitetura e a matemática, conheciam a astronomia e tinham um sistema de escrita tão eficiente quanto os que existiam, no mesmo período, na Europa.

O povo maia deixou marcas que denotam o seu alto grau de desenvolvimento. Mas, quando os europeus chegaram ao continente americano, pouco havia restado. O motivo pelo qual a sociedade desapareceu permanece um mistério até hoje.

Em sua época, os maias dominavam grandes extensões de terras, que correspondem hoje ao sul do México, Guatemala, Belize e Honduras.

Há receio de que o sítio arqueológico esteja demasiadamente exposto ao sol e ao vento – Reuters.

O palácio foi possivelmente usado em dois períodos da história Maia, segundo o Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH): o Clássico (600-900 d.C.) e o Pós-Clássico(850-1050 d.C.).

Além do antigo palácio, os arqueólogos estão estudando quatro estruturas encontradas na praça central de Kulubá: um altar, ruínas de duas construções residenciais e uma estrutura redonda que aparentemente era um forno.

“Este trabalho é só começo, mal começamos a escavar uma das estruturas mais volumosas do sítio arqueológico”, afirmou o arqueólogo Alfredo Barrera à agência de notícias Reuters.

Há receio, no entanto, de que a intensa exposição ao sol e ao vento possam danificar o sítio arqueológico, localizado nos arredores dos badalados resorts caribenhos de Cancún.

Por isso, ambientalistas estão considerando reflorestar partes de Kulubá.

Fonte: BBC Brasil

Tecnologia de última de geração revela detalhes das linhas de Náscar

O território do Peru é repleto de tesouros arqueológicos de antigas civilizações, como a inca. Machu Picchu, por exemplo, é um dos lugares mais incríveis do mundo e também um dos mais visitados. Mas o país guarda vários outros destinos do mesmo tipo, cheios de história e mistério.Você já ouviu falar das fascinantes linhas de Náscar?

Elas são enormes figuras gravadas na superfície do deserto de Náscar (ou Nasca), tecnicamente chamados de geóglifos.  Os desenhos são variados e formam imagens que, em sua maioria, se assemelham a animais, como um colibri, uma aranha, um macaco, um condor entre outros. Com um traçado único, cada forma tem entre 50 e 300 metros de comprimento e ocupam uma área total de 350 km².

Os desenhos mais antigos revelam imagens mais complexas.

Ainda há algumas divergências sobre o real motivo da antiga civilização da região ter feito esses incríveis desenhos há quase dois mil anos atrás. Muitos afirmam que o lugar tenha significado religioso. Outros dizem que tinha a função de um calendário astronômico relacionado às colheitas. Até hoje não se sabe como esses traçados foram feitos. Há ainda um desenho muito curioso, que muitos afirmam parecer um astronauta. Uma coisa é certa: as Linhas de Náscar são cercadas de mistério. Quase todas são uma espécie de mensagem da Terra para o cosmos, traços — como caligrafias desconhecidas — criados no passado para a eternidade.

Algumas estão em perfeito estado, enquanto outras foram parcialmente apagadas pelos ventos, pela erosão e pela passagem do tempo. Mas, agora, um grupo de especialistas japoneses encontrou, por meio de tecnologia de última geração, uma série de geóglifos desconhecidos até então.

São mais de 140 formas que vão desde as já conhecidas, como macacos e cobras, até outras que surpreendem os cientistas, como a de uma figura humanoide com um bastão, cujo significado começará a ser estudado.

Segundo informou o comunicado da Universidade de Yamagata, que apoiou o estudo, acredita-se que os geóglifos encontrados foram criados entre os anos de 100 a.C. e 300 d.C., sendo que a maioria está em estado precário.

As figuras menores medem cerca de 05 metros. Universidade de Yagamata.

Como fizeram o estudo

A equipe de especialistas japoneses, liderada pelo arqueólogo Masato Sakai, partiu da análise de imagens de satélite de alta resolução tiradas do deserto, para depois realizar estudos de campo, entre 2016 e 2018, até identificar as novas linhas.

Com os dados obtidos e o processamento das imagens, realizaram projeções das figuras e descobriram 142 novas linhas, representando peixes, lhamas, macacos e aves.

A partir daí, com os dados coletados, utilizaram técnicas de inteligência artificial (IA) para reconstruir algumas das formas, que não podiam ser definidas por métodos convencionais. Foi assim que a iniciativa chegou à identificação de um geoglifo surpreendente: uma figura humana com um bastão.

“O estudo explorou a viabilidade do potencial da inteligência artificial para descobrir novas linhas e introduziu a capacidade de processamento de grandes volumes de dados por meio de IA, incluindo fotos aéreas de alta resolução em alta velocidade”, detalha o comunicado sobre a pesquisa.

A inteligência artificial permitiu identificar figuras parcialmente corroídas pela erosão.

O que os cientistas encontraram?

As figuras encontradas variam tanto em sua complexidade quanto em sua idade e tamanho. A maior entre elas mede mais de 100 metros de ponta a ponta — um pouco maior do que a Estátua da Liberdade — e a menor, apenas cinco metros, praticamente o mesmo tamanho da estátua de Davi, de Michelangelo.

Para facilitar a identificação, os especialistas japoneses separaram dois grupos:

Grupo A

  • São desenhos lineares e que tendem a ser maiores, medindo mais de 50 metros cada um.
  • Acredita-se que foram feitos mais recentemente, e sua origem varia entre os anos 100 e 300 d.C.

    Grupo B

  • Tendem a ser estruturas mais complexas e de tamanho menor, com menos de 50 metros.
  • Acredita-se que tenham sido produzidas por volta do ano de 100 a.C., ou em períodos anteriores.

    De acordo com os cientistas, cada grupo tinha propósitos diferentes. O primeiro seria utilizado para rituais e o segundo, como pontos de referência para viajantes.

    Descoberta

    Localizadas a cerca de 400 quilômetros de Lima, as Linhas de Náscar permaneceram desconhecidas por séculos. O início das atividades de aviação permitiram o descobrimento dessas formas enigmáticas, que só são visíveis de grandes alturas.

    Segundo os pesquisadores, todas as figuras foram criadas com a remoção de rochas negras que cobriam o terreno, expondo a areia embaixo”, explicou a equipe japonesa. As condições áridas do terreno permitiram sua conservação ao longo de séculos.

    Com tais figuras, a antiga sociedade de nazca, que existiu há cerca de 2.300 anos, “transformou um extenso território estéril em uma paisagem cultural com alta conotação simbólica, ritual e social”, segundo o Ministério da Cultura do Peru.

    As linhas foram descobertas em 1927 e, segundo Paul Kosok, um pesquisador americano que se dedicou ao seu estudo, eram “o maior livro astronômico do mundo”, que marcava os solstícios de inverno e de verão.

    Entretanto, até hoje não se sabe qual era de fato a sua finalidade. Em 1993, os geóglifos passaram a integrar uma reserva arqueológica e a ser parte do Patrimônio Cultural da Nação do Peru.

    Um ano depois, foram classificados como Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). “São o grupo de geóglifos mais notável do mundo e são incomparáveis em extensão, magnitude, quantidade, tamanho e diversidade em relação a qualquer outro trabalho similar no mundo”, afirmou a Unesco.

    “Constituem um feito artístico singular e magnífico da cultura andina”, adiciona a instituição.

O significado de muitos desenhos segue, até hoje, desconhecido.

Fonte: BBC Brasil e Site Qual Viagem

Saiba como é celebrado o Natal na Espanha

A Espanha é um dos países mais católicos do mundo, sendo assim, a celebração do Natal é muito importante para os espanhóis. Eles tem tradições diferentes das brasileiras, que me pareceram bem interessantes, pois, no Brasil, acredito que a data se tornou exageradamente comercial e menos espiritual, principalmente pela influência norte-americana.

Confira no vídeo elaborado pelo Canal “Vamos Hablar Espanhol” como é celebrado o Natal pela Espanha:

Un saludo y ¡Feliz Navidad! 🎅

Peronismo, muito além de um movimento

Mesmo que você não seja muito ligado em política, provavelmente já teve ter ouvido falar no peronismo. O termo se refere ao movimento político que surgiu na Argentina durante a década de 1940 quando Juan Domingo Perón atuava no governo argentino. O sucesso da política peronista garantiu-lhe popularidade para ascender à presidência do país e consolidar sua política. Por ter promovido a transformação e a qualidade de vida da classe trabalhadora no país, o peronismo é identificado muitas vezes como sendo uma corrente da esquerda, tanto que a vitória do candidato de centro esquerda Alberto Fernandez, que tem como vice a ex-presidente Cristina Kirchner foi considerada uma vitória do peronismo e da esquerda no país. 

Mas definir a qual vertente pertence o peronismo não é tarefa das mais simples, pois, ele abrange diferentes teorias. Na Argentina as pessoas até brincam que o peronismo é muito mais que uma corrente política, mas é um estado de espírito.  A ideologia peronista defende a industrialização, o controle das exportações, o Estado forte, a saúde e educação públicas,  subsídios sociais, neutralidade internacional e integração política e comercial sul-americana.

peron_juan-evita_big-flip
Perón e sua esposa Evita se tornaram símbolos da ascensão da classe trabalhadora na Argentina. Imagem Reprodução Internet.

Expressões extremas do peronismo surgiram durante as décadas de 1960 e 1970: os guerrilheiros de Montoneros e, ao mesmo tempo, a organização paramilitar Aliança Anticomunista Argentina (Triplo A).

A primeira coisa que pergunto aos estrangeiros é se, em seus países, os fenômenos políticos são simples. A rebelião catalã é esquerda, ou direita? E os Coletes Amarelos da França?”, observa o antropólogo Alejandro Grimson.

O artista plástico Daniel Santoro foi questionado sobre como o peronismo poderia, por exemplo, ser explicado a um finlandês: “Há algo de indefinível, mas alimenta o desejo de gozo, de felicidade”.

E inclui personalidades históricas como o papa Francisco, porque é a doutrina social da Igreja de João XXIII, ou o ídolo do futebol Diego Maradona, um rebelde e transgressor. Ele contém em seu seio um ex-presidente peronista neoliberal, como Carlos Menem, e uma pessoa de centro-esquerda como Cristina Kirchner. E é um caso atípico no Ocidente, que teve duas presidentes, Isabel Perón e Cristina Kirchner, além de uma líder espiritual que era Evita Perón.

Agora o “peronista” da vez é Alberto Fernández, um político de centro-esquerda que defende, como Cristina, políticas de incentivo ao consumo, salários altos, industrialismo e direitos humanos.

alberto-fernandez-e-cristina-kirchner-1569090168669_v2_900x506
A vitória de Alberto Fernández  e Cristina Kirchner, na última eleição,  foi considerada uma vitória do peronismo. Imagem Reprodução Internet.

O conceito de peronismo é tão complicado de explicar que o até o próprio em pessoa, brincava com a questão. Certa vez um jornalista espanhol perguntou a ele como era o arco político argentino: “Veja, na Argentina existem 30% de radicais (socialdemocratas), 30% de conservadores e outros socialistas”. “Mas onde ficam os peronistas?”, questionou o repórter. “Ah, não, todos nós somos peronistas!”, arrematou Perón.

Peronistas ou não desejamos grande êxito ao novos governantes argentinos!

Confira no vídeo abaixo uma excelente contextualização sobre o surgimento do movimento peronista e de que forma ele ainda segue sendo decisivo no cenário político do país vizinho 👇

Fonte: Site Estadão

Blog no WordPress.com.

Acima ↑