Superando o medo do inimigo invisível

O coronavírus atingiu um dos cantores latinos mais queridos em todo o mundo: o uruguaio Jorge Drexler, que vive atualmente em Madrid. Mas, felizmente ele está recuperado e já pode fazer uma das suas atividades preferidas: tocar violão. A esposa do artista também testou positivo para a Covid-19 e se recuperou bem.

Em entrevista ao Jornal o Globo, o músico, de 55 anos, conta que a primeira a ser contaminada foi sua esposa, a atriz e cantora espanhola Leonor Watling.  Ela esteve em uma premiação de cinema de onde muita gente saiu doente. Dias depois, foi ele quem começou a sentir-se mal. Evitou ir ao hospital para não sobrecarregar o sistema de saúde, já que o exame clínico é recomendado apenas para os casos mais graves. Ligou para um médico e, ao narrar o que sentia, teve um diagnóstico positivo para o vírus.

Jorge Drexler e sua esposa contraíram a Covid-19.

O corpo todo dói muito, é uma tosse esquisita. Senti a fragilidade humana no meu corpo. O mais estranho foi perder olfato e paladar. Também senti um peso no peito e tive muito medo, um medo que eu não experimentava há muito tempo. Mas essa não deve ser nossa força motriz. O medo é um mau conselheiro, porque parte da população que deveria se cuidar em casa satura as emergências públicas — alerta o compositor, que também é médico (especializado em otorrinolaringologia) e trabalhou durante cinco anos em emergências hospitalares.

A experiência rendeu muitas amizades na área. E é por meio de um chat com esses amigos médicos que ele recebe, diariamente, notícias do front do combate ao coronavírus no Uruguai. No entanto, desde que se curou da doença, tem se dedicado mesmo aos assuntos escolares dos filhos pequenos, de 8 e 11 anos.

Mudança radical na rotina

A proximidade entre pais e filhos é um efeito positivo desse momento. Tem sido lindo. Mas é cansativo. Tem o homeschooling, e sou um pouco impaciente. É um aprendizado — conta ele, enquanto a filha aparece na tela para dar um oi. — É um momento de celebração da vida familiar e me sinto feliz estando em casa. O que é surpreendente porque sou muito social. Normalmente, quase toda noite, estou em botecos ou cozinhando para amigos.

Em seu Instagram o cantor alertou a seus seguidores, especialmente aos da América Latina,  sobre a importância da conscientização de todos nesse momento tão delicado: “Queridos amigos, vocês tem uma oportunidade única de não cometer os mesmos erros que cometemos na Espanha e na Itália. Deem um exemplo ao mundo: Fiquem em casa. Evitemos o pico de contágio massivo. É a única forma de não saturar os sistemas de saúde e permitir que os casos graves se salvem” – escreveu em postagem na rede social.

Antes de adoecer, Jorge havia composto a canção Codo a Codo (Cotovelo com Cotovelo)  que deixa uma mensagem de alento para que possamos superar essa fase tão difícil:  “Já voltarão os abraços os beijos, dados com calma. Caso encontre um amigo, cumprimente-o com a alma.  Sorria, mande um beijo. Desde longe, seja próximo, não se toca o coração somente com a mão”, diz um trecho da canção…

Fonte: Jornal O Globo e Portal Uol

Mel para os ouvidos

Sabe quando você está de boa no Youtube ouvindo suas playlists de sempre e de repente se depara com uma parceria inédita e de encher os olhos? A sensação é ótima não é? Dá vontade de não só ouvir, mas também de parar o que estiver fazendo pra assistir. Foi exatamente o que eu fiz outro dia desses ao encontrar o dueto de ninguém menos que Djavan e o ganhador do Oscar, Jorge Drexler.

Com mais de 40 anos de carreira, Djavan é um dos principais nomes da música brasileira. Com sua voz suave e letras românticas, suas canções se tornaram extremamente populares no país, ao serem tema de várias telenovelas da Rede Globo. No final do ano passado, o cantor lançou o álbum “Vesúvio” e quebrando um jejum de 17 anos sem participações em seus discos de estúdio  anunciou um dueto com o cantor uruguaio, na canção que tem uma versão em português chamada “Meu Romance” e outra em espanhol, composta por Drexler, com o nome “Esplendor”, que é a faixa bônus do CD.

O resultado, como você deve imaginar, ficou esplendoroso Rs

Confira no vídeo abaixo os bastidores dessa doce parceria e  veja na sequência as versões da canção em espanhol e português 🎤

Fonte: Portal Pop Line

Música para curar

Muita gente não sabe, mas um dos principais nomes da música latina, o uruguaio Jorge Drexler, além de cantor e compositor, é formado em medicina. Recentemente, o artista teve a oportunidade de concialiar suas dois paixões: Ele começou a participar de um  projeto promovido em hospitais espanhóis chamado “Música en Vena” – Música na veia.

A iniciativa tem como objetivo levar canções a pacientes que estão ingressados em diferentes áreas de hospitais na Espanha. “É um público muito especial porque se encontra muito sensível”, assegura Jorge, que já trabalhou muito tempo em hospitais do  Uruguai.

Jorge
O cantor e compositor uruguaio Jorge Drexler é formado em medicina – Imagem – Internet 

“É um privilégio para alguém que escreve canções e que vive de música tocar em um momento delicado do ser humano, como é o momento de estar em um hospital”, diz Drexler. “Um dos doutores que nos acompanhou nos disse que com o sorriso que se produz e com o ambiente que deixamos na sala já alcançamos um avanço” – ressalta o cantor.

Seu contato com a enfermedade, com o sofrimento humano, com a fragilidade da saúde proporciou ao cantor a oportunidade de dispensar uma identidade compositiva mais sensível em sua música que, depois de anos e voltas,  o levou a se reencontrar com as frias salas de um hospital. A intenção é poder fazer com que esses lugares se aqueçam um pouco com suas melodias.

Canções para Irene

Irene Roblas nasceu prematura. Seu corpo é pequeno e frágil. Por isso, no Hospital Severo Ochoa de Leganés em Madrid, estão dando todo o suporte que a família necessita.

Música en vena ajuda a tornar o ambiente hospitalar menos hostil e mais familiar para os pacientes e familiares”, comenta  Ersilia González, responsável pelo setor de recém-nascidos  do centro médico.

“Estavam presentes os pais e a neonatóloga que acompanha  Irene e pudemos notar a reação dela através dos movimentos” – acrescenta Drexler, que deu um recital pessoal  e íntimo para esta bebê que, naquele momento, completava 22 dias em uma incubadora, lutando pela vida.

“Eu acredito que a música  cura, claramente”, concluie.

Assista ao emocionante vídeo de Jorge cantando para a pequena Irene ❤

Fonte: Site La Red21

Soltando a voz

No próximo domingo serão entregues os prêmios da maior festa do cinema mundial. Como uma boa apaixonada pela sétima arte sempre aguardo pela cerimônia do Oscar com ansiedade e geralmente torço e me divirto bastante. Mas como nem tudo são flores é comum acontecerem alguns episódios um tanto desagradáveis e algumas injustiças que tiram a gente do sério.  E uma das maiores polêmicas da história recente da premiação  aconteceu no ano de 2005.

jorgedrexleroscarafp600_115752
Drexler nos bastidores do Oscar 2005

Pela primeira vez uma música em espanhol tinha sido indicada como melhor canção original.  Se tratava de “Al otro lado del río”, composta e cantada pelo cantor uruguaio Jorge Drexler para o filme “Diários de Motocicleta do diretor Walter Salles.  Tinha tudo para ser uma apresentação  histórica e emocionante.  E tenho certeza que teria sido se os produtores do evento tivessem permitido que Jorge Drexler cantasse, mas ao invés disso resolveram chamar o músico Santana e o ator Antonio Banderas para subirem ao palco e interpretarem a canção, com a justificativa de que eram nomes mais conhecidos do que  Drexler. A escolha gerou muitas críticas na época e um constrangimento muito grande.  Mas o cantor uruguaio soube dar um drible em toda essa situação:  Ao ser anunciado como vencedor pelo saudoso Prince ele resolveu cantar ao invés de discursar e finalmente pôde soltar a voz dando uma resposta ao preconceito dos organizadores de forma brilhante.

Confira como foi esse momento único no link abaixo:

Blog no WordPress.com.

Acima ↑