Entenda como o partido de Evo Morales conseguiu retornar ao poder na Bolívia, contrariando as pesquisas

O Movimento ao Socialismo (MAS), partido do ex-presidente Evo Morales, está de volta ao poder na Bolívia com Luis Arce, que ganhou a eleição presidencial no primeiro turno, algo que as pesquisas não apontavam.

Mas o que explica o triunfo da sigla pouco menos de um ano após Morales deixar a cadeira de presidente e o país, após acusações de fraude eleitoral?

Neste vídeo, Adriano Brito, da BBC News Brasil, mostra como o histórico econômico do país sob o MAS, a impopularidade do governo interino, alvo de acusações de corrupção, a pandemia de coronavírus e a base eleitoral fiel a Morales podem estar entre os motivos.

Fonte: BBC News Brasil

Maradona, by Kusturica

No último dia 30 de outubro, o maior craque de futebol da Argentina, e um dos maiores do mundo em todos os tempos, completou 60 anos. Para homenagear este gênio indomável, o blog indica hoje um dos melhores materiais já feito sobre ele, o documentário: Maradona by Kusturica.

O filme dirigido pelo sérvio Emir Kusturica mergulha na intimidade do astro e nos faz conhecer melhor Diego. O diretor estabelece uma amizade com o Pibe de Oro, e dessa forma, as entrevistas selecionadas para o filme, são muito espontâneas. O astro comenta sobre as dificuldades que viveu na infância, seu senso de justiça social, sua predestinação a ser uma estrela do futebol, além de relatar suas maiores culpas e arrependimentos.

Kusturica nos mostra todo o carisma de Maradona e sua genialidade em campo, além de ressaltar seu lado humano, naturalmente fragilizado. Você vai se divertir ouvindo as histórias sobre o famoso gol com “La Mano de Dios” e com os rituais da Igreja Maradoniana.

A trilha sonora também é uma delícia, 🎼 click abaixo para conferir o filme e não deixe de ativar as legendas 😉

O Brasil pela mirada de um colombiano

Brasil e Colômbia são vizinhos que tem muita coisa em comum. Ambos são conhecidos pela alegria e hospitalidade de sua gente e também pelas suas praias paradisíacas. Mas nem só de semelhanças vivem esses dois países. No vídeo abaixo, você poderá assistir uma entrevista com um colombiano que esteve no Brasil entre 2015/2016, como intercambista na Universidade Federal de Viçosa em Minas Gerais e em 2018/2019, como estudante de mestrado na Universidade Federal de Santa Maria no Rio Grande do Sul.

Na entrevista Jhonier Granada, que atualmente é professor de Espanhol, Inglês e Português, nos conta foi sua experiência em terras brasileiras. Ele relata quais foram os pontos em comum e também quais foram as diferenças que notou entre os dois países. Ele revela que inclusive, quando retornou à Colômbia, mudou um hábito antigo da rotina pessoal, por achar que o costume brasileiro é mais adequado.

Ficou curioso pra saber qual hábito é esse? Então não deixe de assistir a entrevista. 😉

Fonte: Canal EJA Español – UFMG

Encontrado soneto original de Pablo Neruda em meio aos pertences de uma amiga

Exatamente 47 anos depois sua morte, que aconteceu em 23 de setembro de 1973, um soneto datilografado do poeta Pablo Neruda  foi apresentado no Chile. É a primeira versão de Sangre de Toro, um poema de 1965 em homenagem a um popular vinho húngaro. Ele o escreveu durante uma viagem de lazer que fez em agosto daquele ano à Hungria, junto com o escritor guatemalteco Miguel Ángel Asturias e suas respectivas esposas.

Ambos escreveram versos enquanto viajavam pelo país, comiam e bebiam, sem imaginar que logo receberiam o Nobel: Asturias em 1967 e Neruda em 1971. “Revendo as lembranças de minha mãe, que acabara de falecer, encontrei uma caixa de plástico com fotos antigas, documentos e cartas. De repente, apareceu um papel, fino e em razoáveis condições. Era um poema de Neruda, assinado por ele”, diz a médica chilena Marcia Telteinboim, que fez a descoberta.

O poema diz assim:

“Robusto vino, tu familia

no llevaba diademas ni diamantes:

sangre y sudor pusieron en su frente

una rosa de púrpura fragante.

Se convirtió la rosa en toro urgente:

la sangre se hizo vino navegante

y el vino se hizo sangre diferente.

Bebamos esta rosa, caminante.

Vino de agricultura con abuelos,

de manos maltratadas y queridas,

toro con corazón de terciopelo.

Tu cornada mortal nos da la vida

y nos deja tendidos en el suelo

respirando y cantando por la herida”.

Quatro anos depois da viagem, em 1969, os dois poetas publicaram o livro Comiendo en Hungría. Foi publicado em húngaro, castelhano, francês, alemão e russo. Ao contrário da primeira versão que agora aparece, o poema incluído naquela edição tem uma palavra adicional no primeiro verso: “Robusto vino, tu familia ardiente”, diz o poema definitivo.

Para Grínor Rojo, professor do Centro de Estudos Culturais da Universidade do Chile, estudioso da obra de Neruda, o chileno “foi quem escreveu o poema, sem dúvida”. “É um poema muito nerudiano, pela sua riqueza figurativa. Neruda é um poeta de extraordinária imaginação sensorial e os cinco sentidos estão presentes neste brevíssimo texto. Este é Pablo Neruda na íntegra”, explica Rojo.

O primeiro dos textos que compõem o livro de 1969 dá conta do espírito com que foi composto:

“Comer está na moda!

Com pedra e pau, faca e cimitarra, com fogo e tambor as pessoas avançam para a mesa. Os grandes continentes desnutridos explodem em mil bandeiras, em mil independências. E tudo vai para a mesa: o guerreiro e a guerreira. Sobre a mesa do mundo, com todo mundo à mesa, voarão as pombas.

Busquemos no mundo a mesa feliz.

Busquemos a mesa onde o mundo aprende a comer. Onde aprende a comer, beber, cantar!

A mesa feliz.”

O soneto Sangre de Toro tem outra particularidade notável: trata-se de um soneto (uma composição poética muito especial) escrito por um autor que, justamente, não se caracterizou por escrever com formas estabelecidas. “Acredito que, nesse sentido, a escrita formal de Neruda pode ser comparada à pintura realista de Pablo Picasso. Não é o que o artista faz ou fez principalmente, em nenhum dos dois casos. Mas quando isso acontece, o resultado é um esbanjamento de maestria”, diz Rojo, que indica que outra exceção na obra de Neruda são os Cien Sonetos de Amor, de 1959.

O poema datilografado foi salvo quase milagrosamente. O poeta e sua mulher, Matilde Urrutia, eram muito amigos do advogado Sergio Telteinboim e de sua esposa, a graduada em comércio exterior Perla Grinblatt. Compartilhavam a filiação ao Partido Comunista e, nos anos sessenta, quando os Telteinboim viviam com suas três filhas na cidade de Viña del Mar, compareciam com frequência aos almoços e às famosas festas que Neruda realizava em sua casa em Valparaíso, La Sebastiana.

O poeta acolhia seus convidados com bebida, boa mesa e com versos inéditos, que distribuía em pequenos pedaços de papel que hoje são um tesouro: “Qualquer manuscrito ou texto datilografado dele que tenhamos em nosso poder, como este de Sangre de Toro, é uma joia”, observa o professor Rojo.

Os Telteinboim Grinblatt chegaram a ter uma quinzena desses versos de Neruda, mas a maioria não durou para além do golpe de Estado de 1973, quando as casas das famílias de esquerda foram invadidas pelos militares e os próprios moradores se desfizeram dos papéis e documentos comprometedores, em meio à repressão política. A mais nova das filhas, Marcia, tinha 11 anos e se lembra daqueles dias de “turbilhão e medo” em que boa parte da memória material de sua família foi perdida. Com a morte do pai, em 2006, as descendentes nunca imaginaram que Sangre de Toro tivesse sobrevivido entre as lembranças do apartamento de sua mãe em Santiago.

Sergio Teitelboim e Perla Grinblatt, o casal de amigos de Neruda que guardou seu soneto ‘Sangre de Toro’, fotografados nos anos sessenta – Arquivo Pessoal.

“Provavelmente nem ela sabia que esse documento estava guardado”, diz Marcia, cuja mãe morreu em Santiago no dia 14 de julho, aos 94 anos. Junto com esse papel “fino e em razoáveis condições” onde o poema foi datilografado, naquela noite de inverno a médica também encontrou um convite de 1961 para a inauguração de La Sebastiana. Junto com suas irmãs Patricia e Berta, decidiram doar os dois documentos ao Arquivo Central Andrés Bello da Universidade do Chile, em uma cerimônia virtual que aconteceu no dia 23 de setembro deste ano.

Fonte: Site Jornal El País Brasil

Toc, Toc

“De perto ninguém é normal” já diz o conhecido ditado popular. Todos nós temos nossas manias e jeitos peculiares de viver o dia a dia. Mas até que ponto nossos hábitos podem cruzar a linha da “normalidade” até se tornarem algo prejudicial?

“Toc Toc”, de Vicente Villanueva, diretor e roteirista espanhol, traz à tona, com muito humor, um assunto cercado de preconceitos, o transtorno obsessivo compulsivo (TOC).

Baseado na peça francesa de Laurent Baffie, o filme conta a história de seis pacientes que estão juntos em uma sala de espera para uma consulta com o Dr. Palomero, especialista em transtorno psicológico. A estressada secretária do consultório informa aos pacientes que, devido a um erro, todos tiveram seus horários marcados para a mesma hora. Além da confusão nos horários, o vôo de Palomero estava atrasado. Para se distraírem, os seis desconhecidos resolvem fazer uma terapia em grupo, lidando com seus problemas.

A ambientação é praticamente inteira dentro do consultório, exceto nos momentos de flashbacks. O filme é de baixo orçamento, mas o elenco consegue entregar atuações excelentes, dando a imersão necessária para o público. E, para os amantes de plot twist, o final do longa nos revela uma grande reviravolta. Sem dúvidas, uma obra que promove um pensamento crítico, abordando um assunto com pouco espaço dentro do cinema.

O filme nos faz refletir de uma maneira leve e divertida sobre os transtornos que acometem os personagens e nos leva a ter uma grande empatia sobre eles. A produção passa a mensagem de que conversar sobre o assunto e perceber que existem mais pessoas que sofrem de problemas semelhantes, é um grande passo para alcançar uma melhora na qualidade de vida de quem sofre desse mal e por que não de muitos outros males psicológicos também…

O que é o Toc – Transtorno Obsessivo Compulsivo?

Trata-se de um quadro de difícil manejo, marcado por pensamentos inconvenientes que invadem a cabeça sem aviso prévio. Eles são seguidos por um rito ou um comportamento repetido, que serve de escape para acalmar a mente. “É o caso do sujeito com um pavor irracional de bactérias que deixa de tocar em maçanetas e lava as mãos compulsivamente para não se contaminar”, exemplifica o médico Antônio Geraldo da Associação Brasileira de Psiquiatria.

Apesar de afetar tanta gente, pouco se sabe sobre as origens do problema. “Acreditamos que ele seja o resultado da interação de uma falha genética com fatores ambientais”, conta o psiquiatra Leonardo Fontenelle, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Situações como traumas no parto, abuso nos primeiros anos de vida e até infecções estão associadas à gênese do transtorno.

O Toc no Brasil

Uma boa notícia é que o Brasil está na vanguarda científica e obteve avanços memoráveis no que se sabe sobre o transtorno. Em 2003, experts de diversas universidades se reuniram para formar um time voltado exclusivamente a pesquisar o TOC. Eles entrevistaram 1 001 portadores espalhados pelos quatro cantos do país.

A partir das informações, montaram o maior banco de dados sobre o tema do mundo. “Esse esforço coletivo já gerou mais de 50 artigos científicos e permite fazer conclusões certeiras que vão beneficiar diretamente essa comunidade”, comemora o médico Euripedes Constantino Miguel, professor titular de psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e fundador do consórcio.

Um dos principais achados foi a relação do TOC com uma série de distúrbios psiquiátricos: 68% dos respondentes sofriam ao mesmo tempo com depressão, 63% conviviam com quadros de ansiedade generalizada e 35% foram diagnosticados com fobia social. Ou seja: por aqui, ter mais de uma encrenca mental é regra, e não exceção, o que modifica o tratamento receitado.

“Os levantamentos ainda mostraram que um terço dos pacientes já teve desejos de se suicidar e 10% haviam efetivamente tentado se matar, o que reflete a gravidade desses pensamentos e comportamentos”, acrescenta o psiquiatra Ygor Arzeno Ferrão, da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre.

É Toc ou não?

Mas como diferenciar uma pessoa com TOC daquela que apenas gosta das coisas devidamente organizadas? “Se os rituais começam a tomar tempo, interferem na qualidade de vida, atrapalham a capacidade de estudar e trabalhar ou geram angústia e solidão, é preciso buscar ajuda”, responde a psiquiatra Albina Rodrigues Torres, da Faculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual Paulista. A preocupação se inicia quando eles ocupam mais de uma hora por dia e fazem o indivíduo se atrasar ou até desistir de seus compromissos.

E é aí que deparamos com outro dilema: a demora entre o início do transtorno e o seu diagnóstico. “A média é de dez a 14 anos para procurar o médico, o que faz do TOC a doença do segredo”, lamenta a psiquiatra Roseli Gedanke Shavitt, do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Os gargalos são a falta de conhecimento dos próprios profissionais de saúde sobre a enfermidade e, mais uma vez, o estigma de ser tachado de “louco” numa sociedade que não encara as condições psiquiátricas com muito respeito. “O paciente compreende que suas atitudes são absurdas e os ritos desnecessários, mas não consegue deixar de segui-los”, esmiúça Roseli.

O Tratamento

A partir do diagnóstico, feito no consultório por meio de uma conversa e uma avaliação, o médico começa a traçar a rota de recuperação. “A primeira coisa a se fazer é a psicoeducação para explicar direitinho o que é o TOC, suas características e seus riscos”, diz a psiquiatra Maria Conceição do Rosário, da Universidade Federal de São Paulo.

Na sequência, vêm a terapia cognitivo-comportamental e os remédios da classe dos inibidores seletivos de recaptação de serotonina, normalmente prescritos no combate à depressão. A união dessas duas estratégias em um tratamento de longa duração é a que costuma trazer os melhores resultados – cerca de 60% mantêm um bom controle com o esquema.

Para ter sucesso, é necessário abrir o olho para as doenças que seguem de mãos dadas ao transtorno, como a fobia social e a bipolaridade. “Algumas delas pioram se forem utilizados determinados medicamentos, o que demanda adaptações nas doses e na escolha do fármaco”, avisa o psiquiatra Pedro Antônio do Prado Lima, do Instituto do Cérebro da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Não dá pra se esquecer da família nesse processo. Muitas vezes, os parentes participam dos rituais, pois sabem que desobedecer as regras do indivíduo desemboca em atritos. O correto seria não ceder a exigências e manias. “Ele até pode ficar ansioso ou agressivo, mas isso vai durar pouco. Se compactuar com as compulsões, todos se tornam reféns do TOC para sempre”, recomenda Ferrão.

A ajuda da família é muito importante para superar o problema.

O esforço de negar as vontades e agir com firmeza deve ser orientado pelo profissional de saúde. Ao longo das terapias, o paciente é incentivado a questionar seus pensamentos e modificar os comportamentos.

A ciência não está satisfeita e se debruça sobre uma lista grande de novas possibilidades terapêuticas. O mindfulness, técnica de atenção plena que se inspira em alguns conceitos da meditação, mostrou ótimo desempenho em pesquisas e surge como um potencial complemento aos comprimidos.

“Existem perspectivas sobre a neuromodulação, que estimula ou inibe regiões do cérebro com eletricidade ou ondas magnéticas”, vislumbra a psiquiatra Juliana Belo Diniz, do Hospital das Clínicas paulistano. Alguns apostam até na implantação de marca-passos e eletrodos na massa cinzenta para os casos que não reagem às alternativas disponíveis.

Porém, de nada vai adiantar essa batelada de tecnologias se as pessoas prejudicadas não puderem falar abertamente sobre o assunto e procurarem ajuda especializada.

Leda Sampaio, de 37 anos, não conseguia mais ficar sozinha com seus filhos após sofrer um trauma nove anos atrás. Depois de cinco anos de altos e baixos, buscou apoio e, hoje, se sente bem melhor. “Há uma vida toda nos esperando depois do TOC”, declara. Sábio conselho de quem viu, viveu e está vencendo suas próprias obsessões.

Fontes: portaldonic.com.br , saude.abril.com.br e Google Imagens.

A peste da insônia

Baseado na obra do escritor, jornalista, precursor do movimento literário conhecido como “Realismo Mágico” e autor de “Cem anos de solidão” (1967), “La peste del insomnio“- “A peste da insônia” é um espetacular curta-metragem dirigido pelo venezuelano Leonardo Aranguibel que promove reflexões e evoca esperança, especialmente nestes tempos de pandemia, com leituras do colombiano Gabriel García Márquez.

A Fundação Gabo reuniu 30 atores latino – americanos, nesta obra, com textos do livro mais famoso de García Márquez. O filme tem como foco os fragmentos da publicação relativos à enfermidade do sono, descrita com muchas semelhanças com a Covid-19.

“Estamos vivendo um momento muito difícil, mas depende de nós que amanheça mais cedo ou mais tarde, assim que desejamos, no meio desse confinamento, relembrar que o sol sempre volta a sair” – afirmou Aranguibel, que liderou este projeto solidário.

No curta, participam, gratuitamente, reconhecidos talentos do cinema e da televisão latino-americana: como Dolores Heredia, Leonardo Sbaraglia, Alice Braga, Andrés Parra, Manolo Cardona, Julián Román, Héctor Bonilla, Ricardo Darín, Ana María Orozco y Lorena Meritano.

Click no link abaixo e confira essa pequena obra de arte em formato de vídeo:

Fonte: Facebook: Página – EJA Español – UFMG.

Por que escrevemos “México” com x e não com j?

Você já parou pra pensar por que em espanhol “México” não é escrito com “j” (jota) conforme a pronúncia, mas sim com “x”? 🤔 A resposta é: uma questão de identidade nacional.

No espanhol antigo, existia o som [ ∫ ], o do dígrafo “ch” em “achar”. “México” era pronunciado com este som e escrito com “x”. No século XVII, o som [ ∫ ] desapareceu da língua espanhola e foi substituído pelo som [x], o das letras “rr” em “carro”. Em 1815 a Real Academia Española (RAE) determinou que os vocábulos grafados com “x” e pronunciados com o som [x] deveriam ser escritos com a letra “j”.

Essa resolução coincidiu com o período de luta pela independência do país. Os mexicanos não cederam e continuaram grafando “México” com “x”. Somente em 2001, a Real Academia aconselhou que o topônimo fosse escrito com “x”. Grafar “México” com “j” hoje em dia não é incorreto, mas o recomendado é escrever com “x” ✍😉

Fonte: Instagram @hispanofilia_

Dichos populares

Os ditados populares são expressões muito comuns a todos os idiomas. Em espanhol não é diferente. É importante conhecer estes ditados populares, ou frases populares como dizem alguns, para se alcançar um nível fluente em qualquer idioma que alguém deseje estudar. Neste vídeo, você vai aprender 10 dichos populares muito utilizados em espanhol, que te ajudarão a ampliar suas habilidades na língua de Cervantes.

Repare que alguns são bem parecidos aos que usamos em português. 🤓🇧🇷 🇪🇸

Fonte: Canal 1, 2, 3 Espanhol

Pepe, uma vida suprema

Há pessoas que nos lembram com sua postura que o mundo também se transforma com pequenos gestos. Em um momento de profunda crise e dúvidas em relação às lideranças latino-americanas, o popular ex-presidente José Mujica, ou Pepe Mujica, como é carinhosamente chamado, caminha na contramão. É um raro político que não depreciou essa prática.

Com seu voto de simplicidade, com seu desapego aos bens materiais e uma vida dedicada ao bem comum, tornou-se um símbolo, incômodo, não só para adversários, mas principalmente para seus aliados, de como a política deveria ser exercida.

É um desafio enorme documentar alguém tão coerente em suas escolhas. Como retratar um dos mais simpáticos e apaixonantes líderes políticos da história contemporânea, sem incorrer no risco de mitificá-lo? É curioso que este desafio foi encarado não por um latino-americano, mas por um sérvio, Emir Kusturica.

Kusturica, 65 anos, é um dos mais celebrados diretores de sua geração, autor de obras importantes como ‘Quando Papai Saiu Em Viagem De Negócios’(1985), ‘Vida Cigana’(1988) e ‘Underground – Mentiras De Guerra’(1995). Em paralelo aos seus filmes dedica-se também à carreira de músico, com sua banda The No Smoling Orchestra. Sua trajetória é repleta de prêmios e menções em festivais importantes, como Cannes, Berlim e Veneza, onde ‘El Pepe uma vida suprema’ foi exibido.

Retratar ídolos latino-americanos não é uma novidade para esse diretor. Antes, ele realizou uma cinebiografia de ninguém menos que Diego Maradona, o controverso craque, que alguns incautos consideram melhor que Pelé. ‘Maradona by Kusturica’ (2008) é um documentário divertido e afetivo, que nos aproxima do maior ídolo do futebol argentino, revelando suas fraquezas, sua visão de mundo, seu talento incontestável e a idolatria em torno de sua figura _ há até mesmo uma ‘Igreja Maradoniana’, formada por pessoas do mundo todo para celebrá-lo com a um Deus.

Assim como fez no seu filme sobre Maradona, em ‘El Pepe uma vida suprema’ (exibido na Netflix), Kusturica investe na intimidade de seu personagem para revelar seus segredos. A estratégia, aparentemente simples, é construir o documentário como um dia na vida de um homem singular. No entanto não é um dia qualquer.

É seu último momento na Presidência do Uruguai. Antes de chegar ao posto máximo, Pepe foi líder do grupo guerrilheiro Tupamaros, lutou contra a ditadura e, após ser atingido por seis tiros, passou treze anos preso, doze deles isolado do contato com outras pessoas (esse período é retratado no filme ficcional ‘A noite de doze anos’, obra premiadíssima de Álvaro Brechner, em exibição na Netflix).

Pois eis que em seu último dia na Presidência, Kusturica o encontra a cultivar a horta na modesta chácara em que vive, nos arredores de Montevidéu, a conversar com amigos e a tomar seu mate. É bonito ver a relação de cumplicidade com sua companheira de vida Lucía Topolansky, também líder política e ex-guerrilheira, que ficou conhecida no imaginário popular na ditadura por lutar ao lado de sua irmã gêmea. Um casal feliz de idosos, que vivem uma vida austera, mas rica de significados.

Nesse dia especial, Pepe conversa com Kusturica, com a esposa e com amigos e relembra sua trajetória: revela as dores da prisão, a importância do isolamento para sua reflexão sobre a sociedade, a decisão, em comum acordo com a companheira, de não ter filhos para dedicarem-se à política, e um sincero arrependimento por essa escolha.

Mujica e sua esposa Lucía Topolansky.

Pepe cultiva a terra com seu corpo frágil, enquanto ensina algumas crianças a plantar. O trabalho na terra é, no filme, uma metáfora sobre sua vida, mas também é concreto, material. Pepe até hoje se dedica ao cultivo de flores, atividade que exerceu por toda vida, em paralelo a suas atividades na guerrilha, no parlamento e na Presidência.

Quando saiu da prisão, ele levava consigo uma flor que plantara em um penico, fazendo companhia para seu solitário confinamento. Kusturica extrai ao máximo esse simbolismo de um homem que, para além da política, tem um ofício, que é ao mesmo tempo sua sobrevivência e sua essência. E que em seu cotidiano construiu uma micropolítica em sintonia com a macropolítica que propunha.

Não é pouco. Não se trata de uma escolha de ocasião, mas de 85 anos de percurso. Nada mais longe desse personagem do que a ostentação e o consumismo. Ao olhá-lo, não podemos deixar de perguntar: não deveria ser este o comportamento de todo líder popular?

Não deveríamos pensar a política a partir do seu exemplo? Pepe não é arrivista, não faz parte da elite uruguaia, e nem aspira fazer. Há alguém mais distante do que se tornou a esquerda hegemônica na América do Sul?

Por trás da simplicidade, há os pequenos símbolos e gestos de alguém que aprendeu que a maior qualidade das pessoas é a coerência. Em um mundo de obscuridade, Pepe é o oposto. Tudo nele é límpido, inclusive sua vocação política.

Os tempos seguiram, o governo de seu sucessor chegou ao fim com graves acusações de corrupção, a direita voltou ao poder. Mas a imagem de Pepe cultivando suas flores e dirigindo seu inesquecível carro velho resiste.

O momento síntese do filme talvez seja a simbólica viagem de Pepe em seu fusca azul, modelo 1982, dos arredores de Montevidéu até o palácio de governo, onde passará a faixa presidencial. As pessoas estão nas ruas, gritam seu nome. Ele responde singelamente, apertando os olhos puxados, sorrindo. Cumpre o rito de passagem com despojamento, e depois volta para casa.

À noite, em uma roda de amigos, conversa e toma um mate, como se fechasse mais uma jornada. Aquele pequeno senhor de bigode despertou a esperança no povo uruguaio e estabeleceu uma forma de fazer política. Podemos concordar ou não com suas convicções, mas ninguém põe em dúvida a sua integridade, a maior herança que Pepe deixou para o futuro.

É um dos raros políticos que são famosos por sua sinceridade, com a qual não poupou nem seus pares (são famosas frases como “essa velha é pior que o caolho”, referindo-se, respectivamente, a Cristina Kirchner e ao falecido ex-presidente Néstor Kirchner, que era estrábico).

A viagem de fusca fecha mais um ciclo, um simbólico adeus aos tempos sombrios da ditadura uruguaia, que nós, seus vizinhos, não fomos capazes de realizar. Acompanhado do diretor Emir Kusturica, Pepe nos mostra, em sua incômoda e cativante simplicidade, que a despedida da Presidência foi apenas mais um dia na vida de alguém que lutou toda a vida.

É uma daquelas raras pessoas que o dramatugo alemão Bertold Brecht classificou como “imprescindíveis”…

Fonte: Revista Época – Coluna Thiago B. Mendonça

60 anos do terremoto que chegou a interferir no movimento de rotação da Terra

No domingo, 22 de maio de 1960, o Chile sofreu o terremoto mais forte já registrado na história.

Eram 15h11. Por cerca de 10 minutos, o país foi atingido por fortes solavancos ao longo de mil dos seus quase 5 mil quilômetros de costa no Pacífico.

Com magnitude 9,5, o terremoto liberou energia equivalente a 20 mil bombas de Hiroshima e causou um tsunami com ondas de até 25 metros devastando populações costeiras.

Estima-se que mais de 1,6 mil pessoas morreram, 3 mil ficaram feridas e 2 milhões ficaram desabrigadas no sul do país, segundo dados do Serviço de Pesquisa Geológica dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês).

A geografia do Chile mudou. Houve populações que afundaram e outras áreas subiram vários metros; um vulcão entrou em erupção e vários rios mudaram seu curso.

A fúria do terremoto se espalhou por todo o mundo. As ondas sísmicas sacudiram o planeta e o fizeram vibrar por vários dias.

Enquanto a terra tremia, um tsunami se formou no oceano, atingindo também a costa oeste continental dos EUA, o Havaí, as Filipinas e o Japão, totalizando mais de 200 mortes.

Impacto na prevenção de desastres

“Era um monstro planetário”, como descreveu Tom Jordan, então diretor do Centro de Terremotos do Sul da Califórnia, em um artigo da revista científica Nature, no 50º aniversário da tragédia.

O Grande Terremoto do Chile, também conhecido como Terremoto de Valdívia em alusão à cidade mais afetada, ainda é lembrado como uma das maiores catástrofes do país 60 anos depois.

A hecatombe, no entanto, também deixou lições valiosas para a ciência e a prevenção de desastres.

O que aconteceu, como foram sentidos seus efeitos e que dados este terremoto deixou para os cientistas que estudam como a Terra treme?

Um dia trágico

Desde sábado, 21 de maio, a costa chilena, perto de Concepción, já havia registrado fortes terremotos de magnitude superior a 8, mas o grande sismo ocorreu no dia seguinte.

A cerca de 160 quilômetros da costa da cidade de Valdívia, a placa tectônica de Nazca se movia cerca de 30 metros abaixo da placa sul-americana.

Esse fenômeno no qual duas placas contíguas se sobrepõem é conhecido como zona de subducção.

A ruptura que causou a sobreposição, segundo o USGS, se estendeu por mais de mil quilômetros de norte a sul, entre as cidades de Lebu e Puerto Aysén.

O atrito entre as duas placas liberou séculos de energia acumulada, causando os maiores danos na região entre Valdívia e Puerto Montt.

Grande parte da destruição foi causada por ondas de tsunami ao longo da costa.

Cidades como Puerto Saavedra foram completamente destruídas e houve graves danos em outros locais como Corral.

Terremoto liberou energia equivalente a 20 mil bombas de Hiroshima – GETTY

O terremoto transformou a geografia

Em Valdívia, a terra afundou 2,7 metros. Nos arredores da cidade, vários rios mudaram de curso, algumas planícies se tornaram zonas úmidas e milhares de hectares de campos cultivados e de pastagem foram perdidos.

“Mudou a paisagem drasticamente”, diz Daniel Melnick, pesquisador do Instituto de Ciências da Terra da Universidade Austral do Chile e diretor do Núcleo Milenio Cyclo, um centro que estuda o ciclo sísmico em zonas de subducção, à BBC News Mundo, o serviço em espanhol da BBC.

“Ainda nos arredores de Valdívia, podemos ver postes telegráficos no meio do rio, cercas, docas e estradas submersas”, acrescenta.

Com o tempo, a formação das áreas úmidas também atraiu plantas e espécies de aves antes inéditas na região.

Em Maullín e Chiloé, o afundamento do solo “também foi brutal”, explica Melnick.

Em outros lugares o chão não afundou, mas subiu. A ilha de Guafo, por exemplo, subiu quatro metros. Já a Ilha Guamblin subiu 5,6 metros.

Em 24 de maio, dois dias após o terremoto, o vulcão Puyehue entrou em erupção, lançando vapor e cinzas a 6 mil metros acima do nível do mar.

Essa erupção, que durou várias semanas, se deveu ao movimento de placas que fizeram com que o continente se espalhasse e abrisse espaço para a liberação do magma.

“Seria como se você estivesse removendo a rolha de um champanhe”, diz Melnick.

Após o terremoto, a área do Chile se expandiu o equivalente a 1,5 mil campos de futebol.

Efeito global

O terremoto causou um tsunami que se espalhou por todo o Pacífico.

O atrito entre as placas sacudiu o oceano a uma profundidade de 3 mil metros.

O mais afetado foi o Chile, onde em algumas áreas a forma da baía acabou aumentando a força do tsunami, mas as ondas também atingiram outros pontos do planeta.

Quinze horas após o terremoto, um tsunami atingiu o Havaí, causando 61 mortes e danos graves em Hilo, com ondas com mais de 10 metros de altura. Nas Filipinas, as ondas mataram 32 pessoas e na Ilha de Páscoa, Samoa e Califórnia houve danos materiais.

Fora do Chile, a 17 mil km de distância, o maior desastre ocorreu no Japão, onde 22 horas após o terremoto ondas de 5,5 metros atingiram a região de Honshu, destruindo 1,6 mil casas e matando 138 pessoas.

Terremoto de Valdívia é o de maior magnitude já registrado, e causou um tsunami com ondas de 25 metros.

O planeta vibrou

O Chile está localizado no chamado Anel de Fogo, uma área ao redor do Pacífico onde ocorrem alguns dos maiores terremotos e erupções vulcânicas.

O terremoto de 1960 foi tão forte que vibrou o planeta inteiro por vários dias. Chegou até a afetar a rotação da Terra, reduzindo os dias em milissegundos.

“Essas mudanças não são visíveis pelas pessoas”, diz Melnick, “mas as equipes de medição percebem isso”.

Lições da catástrofe

Mas os efeitos dolorosos e impressionantes do terremoto também deixaram lições para os cientistas que estudam esses fenômenos.

As vibrações planetárias que ele gerou, por exemplo, nos permitiram entender melhor como as ondas sísmicas viajam pela Terra.

O terremoto produziu as primeiras evidências das oscilações do planeta, que são úteis para entender melhor sua estrutura interna.

Compreender essas vibrações também é útil para gerar alertas de tsunami após um terremoto.

De fato, após o Grande Terremoto no Chile, em 1965, foi criado um Sistema de Alerta de Tsunami, que foi fundamental para a detecção de tsunamis em todo o mundo.

O fato de ter sido concluído que o terremoto se devia a uma zona de subducção era “revelador”, segundo Melnick.

Antes desse terremoto, não se sabia como ocorria um terremoto em uma falha que não era visível.

Descobrir que existem zonas de subducção “foi a descoberta das placas tectônicas, uma das maiores descobertas da geologia”, diz o geólogo.

O Chile está localizado no chamado “Anel de Fogo” onde ocorrem alguns dos maiores terremotos e erupções vulcânicas do mundo. GETTY

Ao estudar essas zonas de subducção em várias partes do mundo, os geólogos podem estimar que um terremoto gigante como o do Chile pode ocorrer aproximadamente a cada 300 anos.

Por sua vez, os sedimentos deixados pelos tsunamis em várias costas agora também servem como um indicador para os geólogos identificarem outros locais que podem ser propensos a terremotos gigantes.

Mas para Melnick, além das lições técnicas, também é muito valioso continuar lembrando as histórias do terremoto.

Segundo ele, os testemunhos daqueles que vivenciaram o desastre serviram para elaborar estratégias de sobrevivência e para que as novas gerações estejam mais bem preparadas.

As histórias contadas pelos idosos que viveram o terremoto de 1960 foram muito úteis para as novas gerações entenderem melhor como um terremoto e um tsunami funcionam, para se prepararem melhor e como agir diante de um fenômeno que é inevitável e imprevisível.

“Lembrar do terremoto salva vidas”, conclui Melnick.

Fonte: BBC News Brasil

Blog no WordPress.com.

Acima ↑