Pepe, uma vida suprema

Há pessoas que nos lembram com sua postura que o mundo também se transforma com pequenos gestos. Em um momento de profunda crise e dúvidas em relação às lideranças latino-americanas, o popular ex-presidente José Mujica, ou Pepe Mujica, como é carinhosamente chamado, caminha na contramão. É um raro político que não depreciou essa prática.

Com seu voto de simplicidade, com seu desapego aos bens materiais e uma vida dedicada ao bem comum, tornou-se um símbolo, incômodo, não só para adversários, mas principalmente para seus aliados, de como a política deveria ser exercida.

É um desafio enorme documentar alguém tão coerente em suas escolhas. Como retratar um dos mais simpáticos e apaixonantes líderes políticos da história contemporânea, sem incorrer no risco de mitificá-lo? É curioso que este desafio foi encarado não por um latino-americano, mas por um sérvio, Emir Kusturica.

Kusturica, 65 anos, é um dos mais celebrados diretores de sua geração, autor de obras importantes como ‘Quando Papai Saiu Em Viagem De Negócios’(1985), ‘Vida Cigana’(1988) e ‘Underground – Mentiras De Guerra’(1995). Em paralelo aos seus filmes dedica-se também à carreira de músico, com sua banda The No Smoling Orchestra. Sua trajetória é repleta de prêmios e menções em festivais importantes, como Cannes, Berlim e Veneza, onde ‘El Pepe uma vida suprema’ foi exibido.

Retratar ídolos latino-americanos não é uma novidade para esse diretor. Antes, ele realizou uma cinebiografia de ninguém menos que Diego Maradona, o controverso craque, que alguns incautos consideram melhor que Pelé. ‘Maradona by Kusturica’ (2008) é um documentário divertido e afetivo, que nos aproxima do maior ídolo do futebol argentino, revelando suas fraquezas, sua visão de mundo, seu talento incontestável e a idolatria em torno de sua figura _ há até mesmo uma ‘Igreja Maradoniana’, formada por pessoas do mundo todo para celebrá-lo com a um Deus.

Assim como fez no seu filme sobre Maradona, em ‘El Pepe uma vida suprema’ (exibido na Netflix), Kusturica investe na intimidade de seu personagem para revelar seus segredos. A estratégia, aparentemente simples, é construir o documentário como um dia na vida de um homem singular. No entanto não é um dia qualquer.

É seu último momento na Presidência do Uruguai. Antes de chegar ao posto máximo, Pepe foi líder do grupo guerrilheiro Tupamaros, lutou contra a ditadura e, após ser atingido por seis tiros, passou treze anos preso, doze deles isolado do contato com outras pessoas (esse período é retratado no filme ficcional ‘A noite de doze anos’, obra premiadíssima de Álvaro Brechner, em exibição na Netflix).

Pois eis que em seu último dia na Presidência, Kusturica o encontra a cultivar a horta na modesta chácara em que vive, nos arredores de Montevidéu, a conversar com amigos e a tomar seu mate. É bonito ver a relação de cumplicidade com sua companheira de vida Lucía Topolansky, também líder política e ex-guerrilheira, que ficou conhecida no imaginário popular na ditadura por lutar ao lado de sua irmã gêmea. Um casal feliz de idosos, que vivem uma vida austera, mas rica de significados.

Nesse dia especial, Pepe conversa com Kusturica, com a esposa e com amigos e relembra sua trajetória: revela as dores da prisão, a importância do isolamento para sua reflexão sobre a sociedade, a decisão, em comum acordo com a companheira, de não ter filhos para dedicarem-se à política, e um sincero arrependimento por essa escolha.

Mujica e sua esposa Lucía Topolansky.

Pepe cultiva a terra com seu corpo frágil, enquanto ensina algumas crianças a plantar. O trabalho na terra é, no filme, uma metáfora sobre sua vida, mas também é concreto, material. Pepe até hoje se dedica ao cultivo de flores, atividade que exerceu por toda vida, em paralelo a suas atividades na guerrilha, no parlamento e na Presidência.

Quando saiu da prisão, ele levava consigo uma flor que plantara em um penico, fazendo companhia para seu solitário confinamento. Kusturica extrai ao máximo esse simbolismo de um homem que, para além da política, tem um ofício, que é ao mesmo tempo sua sobrevivência e sua essência. E que em seu cotidiano construiu uma micropolítica em sintonia com a macropolítica que propunha.

Não é pouco. Não se trata de uma escolha de ocasião, mas de 85 anos de percurso. Nada mais longe desse personagem do que a ostentação e o consumismo. Ao olhá-lo, não podemos deixar de perguntar: não deveria ser este o comportamento de todo líder popular?

Não deveríamos pensar a política a partir do seu exemplo? Pepe não é arrivista, não faz parte da elite uruguaia, e nem aspira fazer. Há alguém mais distante do que se tornou a esquerda hegemônica na América do Sul?

Por trás da simplicidade, há os pequenos símbolos e gestos de alguém que aprendeu que a maior qualidade das pessoas é a coerência. Em um mundo de obscuridade, Pepe é o oposto. Tudo nele é límpido, inclusive sua vocação política.

Os tempos seguiram, o governo de seu sucessor chegou ao fim com graves acusações de corrupção, a direita voltou ao poder. Mas a imagem de Pepe cultivando suas flores e dirigindo seu inesquecível carro velho resiste.

O momento síntese do filme talvez seja a simbólica viagem de Pepe em seu fusca azul, modelo 1982, dos arredores de Montevidéu até o palácio de governo, onde passará a faixa presidencial. As pessoas estão nas ruas, gritam seu nome. Ele responde singelamente, apertando os olhos puxados, sorrindo. Cumpre o rito de passagem com despojamento, e depois volta para casa.

À noite, em uma roda de amigos, conversa e toma um mate, como se fechasse mais uma jornada. Aquele pequeno senhor de bigode despertou a esperança no povo uruguaio e estabeleceu uma forma de fazer política. Podemos concordar ou não com suas convicções, mas ninguém põe em dúvida a sua integridade, a maior herança que Pepe deixou para o futuro.

É um dos raros políticos que são famosos por sua sinceridade, com a qual não poupou nem seus pares (são famosas frases como “essa velha é pior que o caolho”, referindo-se, respectivamente, a Cristina Kirchner e ao falecido ex-presidente Néstor Kirchner, que era estrábico).

A viagem de fusca fecha mais um ciclo, um simbólico adeus aos tempos sombrios da ditadura uruguaia, que nós, seus vizinhos, não fomos capazes de realizar. Acompanhado do diretor Emir Kusturica, Pepe nos mostra, em sua incômoda e cativante simplicidade, que a despedida da Presidência foi apenas mais um dia na vida de alguém que lutou toda a vida.

É uma daquelas raras pessoas que o dramatugo alemão Bertold Brecht classificou como “imprescindíveis”…

Fonte: Revista Época – Coluna Thiago B. Mendonça

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: